Antecedentes da intenção de praticar Voluntariado Jovem: proposta de modelo concetual

Isabel Ardions, Marta Figueiredo Quinta, Paulo Gonçalves, Madalena Abreu

Abstract


Propósito - O objetivo geral deste trabalho é propor um modelo concetual, suscetível de permitir investigar possíveis relações e antecedentes da intenção de praticar Voluntariado.

Metodologia - Identificar um modelo teórico, suportado pela revisão bibliográfica obre determinadas variáveis latentes.

Originalidade - O estudo do Voluntariado para a Sociedade é determinante, pelo potencial de criação de valor social. Por outro lado, é útil investigar um novo modelo de variáveis, a aplicar à realidade portuguesa e uma amostra de jovens, ainda pouco conhecidas, onde urgem maiores contributos teóricos sobre o tema.

Resultados - Avaliar a possibilidade da capacidade preditiva de variáveis independentes e como se poderão (cor)relacionar os construtos estudados, admissíveis de contribuir para obter eventuais resultados originais em estudo de amostra portuguesa.

Implicações - A nível de implicações teóricas o Voluntariado é fundamental na organização da vida pessoal e organizacional, apresentando uma dinâmica constante de evolução, tanto a nível concetual, como na quantidade de voluntários (jovens) que já abrange. Relativamente a implicações práticas, estas poderão permitir inferir recomendações para a gestão, no âmbito do Terceiro Setor.

Limitações - A escolha de um pequeno grupo de variáveis explicativas da intenção de praticar Voluntariado e a utilização de apenas um informante-chave na recolha de opiniões / perceções.

Palavras-chave – Voluntariado jovem, atitude, norma subjetiva, controlo comportamental percebido, objetivo de vida, intenção comportamental.

Full Text:

PDF

References


Aghababaei, N., Sohrabi, F., Eskandari, H., Borjali, A., Farrokhi, N., & Job, Z. (2015). Predicting subjective well-being by religious and scienti fi c attitudes with hope, purpose in life, and death anxiety as mediators. PAID, 90, 93–98. Recuperado em junho 4, 2018, de http://doi.org/10.1016/j.paid.2015.10.046

Agostinho, D. (2011) “Voluntariado: uma abordagem às motivações dos voluntários do Banco Alimentar”. Dissertação de Mestrado. Universidade da Beira interior.

Ajzen, I. & Fishbein, M. (1980). Understanding attitudes and predicting social behavior. Englewood Cliffs, NJ: Prentice-Hall.

Ajzen, I. (1991). The Theory of Planned Behavior. Organizational behavior and human decision processes, 179-211.

Ajzen, I. (2002). Residual effects of past on later behavior: habituation and reasoned action perspectives. Personality and Social Psychology Review, 6, 2, 107-122, 2002.

Ajzen, I. (2005). Attitudes, Personality and Behavior (Second Edition). Open University Press, 1-178.

Albarracin, D., Johnson, B. T., Fishbein, M., & Muellerleile, P. A. (2001). Theories of Reasoned Action and Planned Behavior as Models of Condom Use: A Meta-Analysis. Psychological Bulletin, 127(1), 142–161. Recuperado em junho 3, 2018, de http://doi.org/10.1037//0033-2909.127.1.142

Angermann, A. & Sittermann, B. (2010). Volunteering in the European Union - An Overview. Observatory for Sociopolitical Developments in Europe, 2(18). Recuperado em maio 24, 2018, de http://www.sociopolitical-observatory.eu/fileadmin/user_upload/Dateien/Veroeffentlichungen/Working_Papier_no_2_Observatory_Volunteering_in_the_EU_Overview.pdf

Araújo, C. M. & Loureiro, S. M. (2014). O efeito da norma subjetiva, percepção de controlo, atitude e experiência passada na intenção de compra de marcas de roupa de luxo no Brasil. Tourism & Management Studies, 10, 103-110

Bandeira, A. M. & Barbedo, P. (2014). O voluntariado como instrumento de desenvolvimento social e económico. ISCAP - Contabilidade - Comunicações Em Eventos Científicos, 1–15. Recuperado em junho 2, 2018, de http://recipp.ipp.pt/bitstream/10400.22/5139/1/O%20VOLUNTARIADO%20-%20Ana%20Bandeira%20%26%20Patricia%20Barbedo%20-%20CIRIEC.pdf

Benevene P., Dal Corso L., De Carlo A., Falco A., Carluccio F., & Vecina M. L. (2018). Ethical Leadership as Antecedent of Job Satisfaction, Affective Organizational Commitment and Intention to Stay Among Volunteers of Non-profit Organizations. Psychol. 9:2069. doi: 10.3389/fpsyg.2018.02069

Bussell, H. & Forbes, D. (2002). Understanding the volunteer market: The what, where, who and why of volunteering. International Journal of Nonprofit and Voluntary Sector Marketing, vol. 7(3), 244-257.

Butler, M. W., Krishnaswami, S., Rothstein, D. H., & Cusick, R. A. (2011). Interest in international surgical volunteerism: results of a survey of members of the American Pediatric Surgical Association. Journal of Pediatric Surgery, 46(12), 2244–2249. Recuperado em maio 4, 2018, de http://doi.org/10.1016/j.jpedsurg.2011.09.008

Chun, S., Heo, J., Lee, S., & Kim, J. (2016). Leisure-Related Predictors on a Sense of Purpose in Life among Older Adults with Cancer. Activities, Adaptation & Aging, 40, 266-280. Recuperado em maio 4, 2018, de http://doi.org/10.1080/01924788.2016.1199517

Comissão Europeia (2011). Comunicação sobre as Políticas da UE e o Voluntariado: Reconhecer e Promover as Atividades de Voluntariado Transfronteiras na UE. Comunicação da Comissão ao Parlamento Europeu, ao Conselho, ao Comité Económico e Social Europeu e ao Comité das Regiões.

Dávila, M. C., & Díaz-Morales, J. F. (2009). Age and motives for volunteering: Further evidence, Europe’s Journal of Psychology, 2/2009, 82–95.

Delicado, A., Almeida, A. N. & Ferrão, J. (2002). Caracterização do Voluntariado em Portugal. Lisboa: Comissão para o Ano Internacional dos Voluntários.

Downs, D. S., & Hausenblas, H. A. (2005). The Theories of Reasoned Action and Planned Behavior Applied to Exercise: A Meta-analytic Update. Journal of Physical Activity and Health, 2, 76–97.

Eisenberg, N., Fabes, R. A., Karbon, M, Murphy, B. C., Wosinski, M., Polazzi, L. & Juhnke, C. (1996). The Relations of Children’s Dispositional Prosocial Behavior to Emotionality, Regulation, and Social Functioning. Child Development, 67, 974-992.

Ferreira, M., Proença T. & Proença, J. F. (2008). As motivações no trabalho voluntário. Revista Portuguesa e Brasileira de Gestão, 7(3), 43–53. Recuperado em junho 3, 2018, de http://www.scielo.oces.mctes.pt/scielo.php?pid=S1645-44642008000300006&script=sci_pdf%5Cnhttp://www.scielo.oces.mctes.pt/scielo.php?pid=S1645-44642008000300006&script=sci_arttext

Fortin, M. F. (2000). O Processo de Investigação. Da conceção à realização. Lusodidacta.

Handy, F. & Hustinx, L. (2009). The why and how of Volunteering. Nonprofit Management and Leadership, vol. 19 (4), 549-550.

INE, I.P (2013). Inquérito ao trabalho voluntário 2012. Destaque – Informação à comunicação social, Lisboa. Recuperado em maio 23, 2018, de https://www.ine.pt/xportal/xmain?xpid=INEexpgid=ine_destaqueseDESTAQUESdest_boui=157410423eDESTAQUESmodo=2

Klug, G., Toner, S., Fabisch, K., & Priebe, S. (2018). Characteristics and motivations of volunteers providing one-to-one support for people with mental illness: a survey in Austria. Social Psychiatry and Psychiatric Epidemiology (2018) 53:841–847. https://doi.org/10.1007/s00127-018-1514-1

Koutrou, N. (2018). The Impact of the 2010 Women’s Rugby World Cup on Sustained Volunteering in the Rugby Community. Sustainability 2018, 10, 1030; doi:10.3390/su10041030

Laghi, F., Lonigro, A., Baumgartner, E., & Baiocco, R. (2018). What does the intention to be a volunteer for a student with autism predict? The role of cognitive brain types and emotion and behavior characteristics. Psicología Educativa, 24, 26-30. https://doi.org/10.5093/psed2018a7

Law, B. M. F., & Shek, D. T. L. (2009). Beliefs about volunteerism, volunteering intention, volunteering behavior, and purpose in life among Chinese adolescents in Hong Kong. The Scientific World Journal, 9, 855–865. Recuperado em maio 20, 2018, de http://doi.org/10.1100/tsw.2009.32

Lei n.º 71/98 (1998). Bases do enquadramento jurídico do voluntariado. Diário da República 1ª Série A. N.º 254 (98-11-03), 5694-5696.

Liu, S., Chiang, Y. T., Tseng, C. C., Ng, E., Yeh, G. L., & Fang, W. T (2018). The Theory of Planned Behavior to Predict Protective Behavioral Intentions against PM2.5 in Parents of Young Children from Urban and Rural Beijing, China. International Journal of Environmental Research and Public Health 2018, 15, 2215, doi:10.3390/ijerph15102215

Luís, J. C. (2014). Teoria do comportamento planeado, psicopatia e a intenção de reincidir em crimes contra a propriedade (Dissertação de Mestrado). Universidade do Porto.

Martela, F. & Steger, M. F. (2016). The three meanings of meaning in life: Distinguishing coherence, purpose, and significance. The Journal of Positive Psychology, 531-545. Recuperado em junho 2, 2018, de http://dx.doi.org/10.1080/17439760.2015.1137623

Matos, M. & Sardinha, S. (1999). Estilos de vida ativos e qualidade de vida. In L. Sardinha, M. Matos & I. Loureiro (Eds.), Promoção da saúde: Modelos e práticas de intervenção nos âmbitos da atividade física, nutrição e tabagismo. Lisboa: FMH.

Matos, E.B., Veiga, R. T., & Lima L. C. (2008). A decisão na Teoria do Comportamento Planejado: um estudo da intenção de uso de condons por adolescentes. XXXII Encontro da ANPAD. Rio de Janeiro.

McKnight, P. E., & Kashdan, T. B. (2009). Purpose in life as a system that creates and sustains health and wellbeing: an integrative, testable theory. Review of General Psychology, 13, 242–251.

Monteiro, P. R. & Veiga, R. T. (2006). Intenção de Parar de Fumar: Comparação entre Homens e Mulheres segundo a Teoria do Comportamento Planejado. Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Administração, 1-16.

Moutinho, K. & Roazzi, A. (2010). As Teorias da Ação Racional e da Ação Planejada: Relações entre as intenções e comportamentos. Avaliação Psicológica, 9(2), 279-287.

Niebuur, J., Lente, L., Liefbroer, A. C., Steverink, N., & Smidt, N. (2018). Determinants of participation in voluntary work: a systematic review and meta-analysis of longitudinal cohort studies. BMC Public Health (2018). 18:1213. https://doi.org/10.1186/s12889-018-6077-2

Pinquart, M., Silbereisen, R. K., & Fröhlich, C. (2009). Life goals and purpose in life in cancer patients. Support Care Cancer, 17, 253–259.

Reker, G. T. & Wong, P. T. (1988). Aging as an individual process: Toward a theory of personal meaning. In J. E. Birren & V. L. Bengston (Eds.), Emergent theories of aging, 214–246. New York, NY: Springer

Reker, G. T., & Peacock, E. J. (1981). The Life Attitude Profile (LAP): A multidimensional instrument for assessing attitudes toward life. Canadian Journal of Behavioural Science, 13, 264–273. Recuperado em maio 23, 2018, de http://doi.org/10.1037/h0081178

Rego, R., Zózimo, J. & Correia, M. J. (2017). Voluntariado em Portugal. Do trabalho invisível à validação de competências. Sociologia, Problemas e Práticas (2017), 83, pp. 75-97. doi:10.7458/SPP2017836498

Roazzi, A., Almeida, N. D., Nascimento, A. M., Souza, B. C., Souza, M. G., Roazzi, M. M. (2014). Da Teoria da Ação Racional à Teoria da Ação Planejada: Modelos para explicar e predizer o comportamento. Revista AMAzônica, 13, 175-208.

Rodrigues, A., Assmar, E. M. & Jablonski, B. (2009). Atitudes: conceitos e formação. In A. Rodrigues; E. M. L. Assmar, & B. Jablonski (Orgs.), Psicologia social. 21ª ed., Petrópolis, RJ: Vozes.

Ryff, C. (1989). Happiness is everything, or is it? Explorations on the meaning of psychological well-being. Journal of Personality and Social Psychology, 57, 1069–1081.

Sallam, A. A., Safizal, M., & Osman, A. (2015). The Key Drivers of Volunteering Intention among Undergraduate Malaysian Students – an application of Theory of Planned Behavior. International Journal of Economics, Commerce and Management, 3(2), 1-13. Recuperado em maio 23, 2018, de http://ijecm.co.uk/wp-content/uploads/2015/02/3244.pdf

Silva, T. S., Gomide, C. S., Lima, A. A., Júnior, F. F., Roque, D. M, Martins, A. F. (2014). Atitudes, Normas subjetivas e Controle Comportamental Percebido - Uma população universitária em relação ao consumo de água: análise à luz da teoria do comportamento planejado (TPB). XIV Colóquio internacional de Gestão Universitária – CIGU, 1-15. Brasil. Recuperado em junho 4, 2018, de https://repositorio.ufsc.br/xmlui/bitstream/handle/123456789/132165/2014-368.pdf?sequence=1&isAllowed=y

Stran, K. A., Knol, L. L., Severt, K., & Lawrence, J. C. (2016). College Students’ Intentions to Use Calorie Information on a Restaurant Menu: Application of the Theory of Planned Behavior. American Journal of Health Education, 47(4), 215-223. Recuperado em junho 7, 2018, de http://doi.org/10.1080/19325037.2016.1179142

Strecher, V. J. (2016). Progress in Pediatric Cardiology On purpose: New directions in life and health. Progress in Pediatric Cardiology. Recuperado em junho 6, 2018, de http://doi.org/10.1016/j.ppedcard.2016.02.002

Sumner, R. (2016). More Education, More Purpose in Life? A Comparison of Purpose Across Adults with Different Levels of Education. Recuperado em junho 6, 2018, de http://doi.org/10.1007/s11482-016-9448-9

Thurstone, L. L. (1931). The measurement of social attitudes. The Journal of Abnormal and Social Psychology, Vol 26(3), 249-269.

Tommasetti, A., Singer, P., Troisi, O. & Maione, G. (2018). Extended Theory of Planned Behavior (ETPB): Investigating Customers’ Perception of Restaurants’ Sustainability by Testing a Structural Equation Model. Sustainability 2018, 10, 2580; doi:10.3390/su10072580

Veloso, S. M. (2005). Determinantes da atividade física dos adolescentes: estudo de uma população escolar do concelho de Oeiras (Dissertação de Mestrado). Universidade do Minho.

Welman, C., Kruger, F. & Mitchell, B. (2005). Research Methodology (3ª ed.). Cidade do Cabo (África do Sul): Oxford University Press.

Zanitelli, L. M. (2010). Direito e consumo ético: uma comparação entre a análise econômica das normas sociais e a teoria do comportamento planejado, 27–61. Recuperado em maio 23, 2018, de http://direitoestadosociedade.jur.puc-rio.br/media/Artigo2%20Leandro.pdf

Zhou, H., Romero, S., & Qin, X. (2015). An extension of the theory of planned behavior to predict pedestrians’ violating crossing behavior using structural equation modeling. Accident Analysis and Prevention, 95, 417–424. Recuperado em junho 12, 2018, de http://doi.org/10.1016/j.aap.2015.09.009




ISSN 2183-5594

Indexing: GOOGLE SCHOLAR - LATINDEX - DRJI