Fatores Determinantes das Exportações Portuguesas das Empresas do PSI 20

Elvira Vieira, Sofia Gomes, Tiago Trancoso

Abstract


Resumo estruturado

Objetivo: O presente estudo tem como objetivo avaliar o impacto dos fatores determinantes das exportações como modo de internacionalização nas empresas exportadoras do PSI 20. Isto é, averiguar se os fatores determinantes das exportações identificados por outros autores, tais como, o capital próprio, o resultado líquido, a produtividade, as remunerações e a dimensão da empresa são também os fatores determinantes das exportações portuguesas das empresas do PSI 20. O objetivo secundário é avaliar se estes fatores determinantes têm o mesmo impacto (positivo ou negativo) na amostra de empresas exportadoras do PSI20, tal como encontrado nos outros estudos revistos.

Desenho/metodologia/abordagem: Após terem sido selecionadas do PSI 20 as empresas exportadoras que cumprem os requisitos definidos pelo Banco de Portugal para serem classificadas como empresas exportadoras, foram recolhidos dados económico-financeiros para essas empresas de forma a construir os fatores determinantes das exportações, identificados por diversos autores em outros estudos.

A amostra utilizada é composta por sete empresas do PSI20 e o período temporal de análise é de 5 anos (2011 a 2015). Através de um estudo econométrico, estimou-se, utilizando o software PSPP, um modelo de regressão linear múltiplo, em que se consideraram como variáveis independentes os fatores determinantes das exportações (o valor acrescentado bruto (VAB), o resultado líquido, o capital próprio, a produtividade, a dimensão da empresa, as remunerações e as despesas em Investigação e Desenvolvimento (I&D)), e como variável dependente o volume de exportações.

Resultados: Os resultados do modelo estimado confirmam uma variação positiva das variáveis Produtividade, Capital Próprio, Resultado Líquido e Remunerações com impacto positivo no aumento do volume de exportações das empresas exportadoras que compõem o PSI20, como encontrado pelos diversos autores revistos. Por sua vez, o número de trabalhadores revelou-se não significativo, contrariamente ao esperado. E por último, o VAB e a I&D também, contrariamente aos estudos, têm um impacto negativo no aumento das exportações das empresas do PSI20.

Limitações/implicações: Uma das principais limitações prende-se com a dimensão da amostra, numa vez que se utilizou o PSI20. Desta forma, pretende-se em futuras linhas de investigação aumentar a dimensão da amostra nomeadamente a outros índices de empresas, introduzir novas variáveis independentes como a dimensão do mercado, fatores económicos e financeiros característicos do país, nível de escolaridade dos trabalhadores, nível de impostos, entre outros. Por outro lado, seria interessante perceber se as variáveis VAB e I&D apenas tem um impacto negativo nesta amostra ou se também são um fator comum a todas as empresas portuguesas, tendo em conta que, o investimento em I&D não é um gasto primordial na maioria das empresas portuguesas, ou não é suficientemente elevado para ter impacto positivo nas exportações portuguesas.

Originalidade/valor: Trata-se do primeiro estudo quantitativo efetuado para as empresas do PSI20, no qual são aplicados os fatores determinantes da exportação enquanto modo de internacionalização ao conjunto de empresas exportadoras que o compõem.


Full Text:

PDF

References


Arbache, J. (2005) Inovações Tecnológicas e Exportações Afectam o Tamanho e a Produtividade das Firmas Manufactureiras? Evidências para o Brasil. Documento de trabalho. Departamento de Economia, Universidade de Brasília, Brasil.

Arbache, J.; Negri, J. (2001) Determinantes das Exportações Brasileiras: Novas Evidências. Documento de trabalho. Departamento de Economia, Universidade de Brasília, Brasil.

Becker, S. (2008) Endogenous Product versus Product Innovation and a Firms Propensity to Export. Working Paper, University of Stirling, United Kingdom.

Bernard, A. B.; Jensen, J. (1999) Exceptional Exporter Performance: Cause, Effect,or Both?. Journal of International Economics, 47(1), 1–25.

Brito, C.; Lorga, S. (1999) Marketing Internacional. Sociedade Portuguesa de Inovação, Porto

Calof, J. L., Beamish, P. W. (1995) Adapting to Foreign Markets: Explaining Internationalization. International business review, nº 4(2), p. 115 – 131.

Cassiman, B.; Martínez-Ros E. (2008). Product innovation and Exports: Evidence from Spanish Manufacturing. Working Paper, IESE Business School.

Castellani, D. (2002) Export Behavior and productivity growth: Evidence from Italian Manufacturing firms. Weltwirtschaftliches Archiv 138 (4): 605-628.

Cavusgil, S. T.; Zou, S. (1994) Marketing Strategy-Performance Relationship: An Investigation of the Empirical Link in Export Market Ventures. Journal of Marketing, 8(January), 1–21.

Chetty, S.; Campbell-Hunt, C. (2001) Paths to Internationalization Among Small to Medium-sized Firms: A Global Versus Regional Approach. European Journal of Marketing, 37 (5/6), pp. 796-820.

Choi, H. (2003) Exports Penetration Cost and International Business Cycles. The Ohio University.UMI.PhD Dissertation.

Duarte, J. (2008) 2008 – o ano de internacionalização da sua empresa? ASPECTOS, Chambre de Commerce et d’industrie luso-française, nº 136, Maio 2008, pag. 13.

Esperança J. P. (2001) Padrões de internacionalização das empresas portuguesas. IAPMEI.

Fernández, Z; Nieto, M. J. (2005) Internationalization strategy of small and medium-sized family businesses: some influential factors. Family Business Review, nº18, p. 77-89.

Freire, A. (1997) Estratégia – Sucesso em Portugal. Agosto 1997.

Fryges, H.; Wagner, J. (2008) Exports and productivity growth: First evidence from a continuous treatment approach. Centre for European Economic Research (ZEW), Leuphana University of Lueneburg.

Girma, S., D.; Greenaway; Kneller, R. (2002) Does Exporting Lead to Better Performance? A Microeconometric Analysis of Matched Firms. GEP Research Paper Series 2002/09, University of Nottingham.

Gjellerup, P. (2000) SME support services in the face of globalization. Concerted Action seminar. Conference Proceedings, Danish Agency for Trade and Industry, Copenhagen, 16–28.

Gomes, A.; Faustino, H. (2011) Exports and innovation in SMEs and large firms: The main determinants. ISEG. Working Paper No. 02.

Grossman, G. M.; Helpman, E. (1995) Innovation and Growth in the Global Economy. The MIT Press, Cambridge, MA.

Hipe, N.; Nishijima, S. (2009) Export Intensity and Impacts from FirmCharacteristics,Domestic Competition and Domestic Constraints in Vietnam: A Micro-data Analysis. Paper provided by Research Institute for Economics&Business Administration, Kobe University.

Hill, C. W. L. (2011) International Business: Competing in the Global Marketplace. McGraw-Hill/Irwin.

Hirsch, S.; Bijaoui, I. (1985) R&D Intensity and Export Performance: A MicroView. Weltwirtschaftliches Archiv 121 (2): 238-251.

Lachenmairer, S.; Woessmann L. (2004) Does Innovation Cause Exports? Evidence from Exogenous Innovation. Impulses and Obstacles Using German Micro Data.

Liu, X.; Shu, C. (2003) Determinants of Export Performance: Evidence from Chinese Industries. Economics of Planning 36 (1), 45-67.

Martín, L. Á. G.; López, J. E. N. (2007) La Dirección Estratégica de la Empresa – Teoría y Aplicaciones. E. Aranzadi, Ed. (4a Edição.). Navarra.

Porter, M. (1990) The Competitive Advantage of Nations. The Free Press: New York.

Salomon, R ;Shaver, J. M. (2005) Export and Domestic Sales: Their Interrelationship and Determinants. In Strategic Management Journal, 26, pp. 855–871.

Simões, V.C. (1997) Internacionalização das empresas Portuguesas. In: Economia e Prospectiva, 1 (2).

Stal, E. (2010) Internacionalização de empresas brasileiras e o papel da inovação na Construção de vantagens competitivas. Revista de Administração e Inovação, nº7(3).

Srinivasan, T.; Archana, V. (2011) Determinants of Export Decision of Firms. Economic e Political Weekly. XLVI, 7, 49-58.

Teixeira, S. E Diz, H. (2005) Estratégias de Internacionalização. Publisher Team, Lisboa.

Viana, C.; Hortinha, J. (2005) Marketing Internacional. Edições Sílabo, Lisboa.

Wakelin, K. (1998) Innovation and Export Behavior at the Firm Level. NH Elsevier, Netherlands.

Wagner, J. (2001) A Note on the Firm Size - Export Relationship. Small Business. Economics 17 (4), 229-237.

Welford, R.; Prescott, K. (1994) European Business – An Issue-Based Aproach. 2ª edição, Pitman Publishing, London.

Webgrafia

Altri, S.G.P.S., S.A. (2016) [online]. Acedido em 30 de Outubro de 2016. Disponível em: http://www.altri.pt/

Grupo Corticeira Amorim (2016) [online]. Acedido em 30 de Outubro de 2016. Disponível em: http://www.amorim.com/

Instituto Nacional de Estatística (2017) [online]. Acedido em 15 de Janeiro de 2017. Disponível em: https://www.ine.pt/

Jerónimo Martins, S.G.P.S., S.A. (2016) [online]. Acedido em 30 de Outubro de 2016. Disponível em: http://www.jeronimomartins.pt/

Mota-Engil, S.A. (2016) [online]. Acedido em 15 de Outubro de 2016.

Disponível em: http://www.mota-engil.pt/

REN- Redes Energéticas Nacionais, S.A. (2016) [online]. Acedido em 15 de Outubro de 2016. Disponível em: https://www.ren.pt/

Semapa, S.G.P.S., S.A. (2016) [online]. Acedido em 15 de Outubro de 2016. Disponível em: www.semapa.pt/

The Navigator Company S.A.(2016) [online]. Acedido em 15 de Outubro de 2016. Disponível em: http://www.thenavigatorcompany.com/




ISSN 2183-5594

Indexing: GOOGLE SCHOLAR - LATINDEX - DRJI