Estudo do processo de adoção das International Standards on Auditing em Moçambique

Sara Serra, Victória António

Abstract


Objetivo: Burn e Fogarty (2010) afirmam que as International Standards on Auditing (ISA) são de grande utilidade para os países em desenvolvimento, pois promovem a coerência dos procedimentos de auditoria, a educação e o desempenho dos auditores. Face ao exposto, e dada a escassez de literatura sobre o tema, este estudo visa analisar o processo de adoção das ISA em Moçambique, nomeadamente, o seu impacto nos profissionais e no exercício das suas funções, bem como as dificuldades sentidas por estes.

Metodologia: Neste estudo seguimos o paradigma de investigação positivista, utilizando o questionário como técnica de recolha de dados. O questionário foi enviado digitalmente para todos os auditores inscritos na Ordem dos Contabilistas e Auditores de Moçambique (OCAM).

Resultados: Os resultados obtidos corroboraram a revisão da literatura, pois revelam que as ISA melhoraram o planeamento da auditoria, bem como o processo de obtenção da prova de auditoria e amostragem, avaliação do risco de auditoria e do sistema de controlo interno. Além disso, estas normas facilitaram a elaboração do relatório de auditoria. Denotou-se, no entanto, que os auditores sentem alguma dificuldade na implementação das ISA, essencialmente, devido ao insuficiente conhecimento e formação sobre as ISA.

Originalidade: Trata-se de uma temática pouco estudada e de um estudo inédito, feito com base num questionário criado de raíz. Pretende-se, assim, que esta pesquisa sirva de reflexão e motivação para estudos futuros, focados na área de auditoria em Moçambique e outros países africanos.

Palavras-chave: International Standards on Auditing (ISA), Auditores, Auditoria, Moçambique.

Classificação do artigo: Research paper


Full Text:

PDF

References


Akhdime, A. & Ekiomado, E. (2014). Adoption and Implementation of International Financial Reporting Standards (IFRS) in Nigeria: Enduring Challenges and Implication. International Journal of Development and Sustentability, 3(11), 2090-2100.

Boolaky, P. & Soobaroyen, T. (2017). Adoption of International Standards on Auditing (ISA): Do Institutional Factors Matter?. International Journal of Auditing, 21(1), 59-81.

Burn, J. & Fogarty, J. (2010). Approaches to Auditing Standards And Their Possible Impacto On Audit Behavior. International Journal of Disclousure and Governance, 7(4), 310-319.

Costa, C. (2014). Auditoria Financeira: Teoria e Prática, 9ª edição, Rei dos Livros.

Escamilha, J. (2010). Normas Internacionales de Auditoria: Principales Impactos del Proyecto Clarity. Partida Doble, 224, 68-79.

Fortin, M., Côté, J. & Filion, F. (2009). Fundamentos e etapas do processo de investigação. Lusodidacta

Hegarty, J., Gielen, F. & Barros, A. (2004). Implementation of International Accounting and Auditing Standards. Lessons Learned from the World Bank´s Accounting and Auditng ROSC Program, Washington DC. Disponível em: https://www.worldbank.org

Humprey, C., Kausar, A., Loft, A. & Madeiras, M. (2011). Regulação de Auditoria Além da Crise: Uma discussão crítica do Livro Verde da EU. Revisão Europeia de Contabilidade, 20(3), 1-23.

IIA, (2012) - Supplemental Guidance: The Role of Auditing in Public Sector Governance. 2nd edition, 1-28.

IFAC, (2012). Handbook of International Standards on Quality Control, Auditing, Review, Other Assurance and Related Services Engagements, Volume II, ISBN: 978-1-60815-122-6. Manual das Normas Internacionais de Controlo de Qualidade, Auditoria, Revisão, Outros Trabalhos de Garantia de Fiabilidade e Serviços Relacionados; Edição 2012, Parte II. OROC

Malhotra, N. (2001). Pesquisa de marketing. 3ª Edição, Porto Alegre: Bookman Paulo: Atlas.

McGee, R. (1999). The problema of Implementing International Accounting Standards: A Case Study of Armenia. Journal of Accounting, Ethics and Public Policy, 2(1), 38-44.

McGee, R. (2006). Adopting and Implementing International Financial Reporting Standards In Transition Economies, In International Accounting Standards, Regulations, and Financial Reporting. Eds. Greg Gregriou and Mohamed Gaber. Elsevier Ltd. 199-221.

Menicken, A. (2006). Translation and Standardization: Audit World-Building in Post-Soviet Russia. Discussion Paper, ESRC Centre for Analysis of Risk and Regulation.

Ortiz, L., Muñoz, V. & Castrillon, A. (2013). Análises de La Implementación y Plan de Adopción de Las Normas Internacionales de Audutorias NIAS (NIA 500). Evidencia de Auditoria en Colombia. Universidade de San Buenaventura Seccional Medellin.

Pestana, M. & Gageiro, J. (2014). Análise de Dados Para Ciências Sociais: A Complementaridade do SPSS. 6ª Edição, Edições Sílabo, Lda.

Pineno, C. & Gelikanova, E. (2010). Obstacles to The Implementation of International Auditing Standards. Journal of Busines and Accounting, 3(1), 110-124.

Pinheiro, J. (2008). Auditoria Interna - Manual Prático para Auditores Internos. Lisboa: Editora Rei dos Livros.

Radebaugh, H. & Gray, J. (1997). International Accounting and Multinacional Enterprises, 4th Edition, New York: John Wiley and Sons.

Ramirez, D., Castañeda, S. & Uribe, P. (2013). Beneficios y Problemáticcas en La Aplicación de Las Normas Internacionales de Auditoria En México. Revista de la Facultad de Ciencias Contables, 21(40), 95-99.

Selishchev, S. (2018). Selected issues of using international standards of auditing when assessing the application of the going concern basis by management personnel of a company. Scientific Bulletin of the National Academy of Statistics, Accounting and Audit, (1-2), 96-100.

Simunic, D., Ye, M. & Zhang, P. (2017). The joint effects of multiple legal system characteristics on auditing standards and auditor behavior. Contemporary Accounting Research, 34(1), 7-38.

Zaccarelli, S. (2000). Estratégia e sucesso nas empresas. S. Paulo: Saraiva,

Zakari, M. (2013). Accounting and Auditing in Development Countries – Arab Countries. Journal of Economics and Political Sciences, 16(10), 1-27.

Legislação

Decreto n.º 2/2005, de 27 de dezembro, BRM (2005) – aprova o Código Comercial de Moçambique, I Série.

Lei n.º 15/99, de 1 de novembro, BRM (1999) – regula o estabelecimento e o exercício das atividades das instituições de crédito e das Sociedades financeiras em Moçambique, I Série.

Lei n.º 8/2012, de 8 de fevereiro, BRM (2012) - cria a Ordem dos Contabilistas e Auditores de Moçambique e aprova respetivo estatuto, I Série.




ISSN 2183-5594

Indexing: GOOGLE SCHOLAR - LATINDEX - DRJI