Perceções das empresas portuguesas na prevenção e deteção da fraude

Rui Costa Robalo, Sérgio A Silva

Abstract


Objetivo: Este trabalho pretende analisar, na perspetiva de responsáveis pela prevenção e deteção da fraude em empresas portuguesas, qual a valorização que estes profissionais atribuem ao trabalho de auditoria.

Metodologia: Recolha, através de questionário enviado e recebido via email, das perceções de profissionais com responsabilidade na prevenção e deteção da fraude em 92 empresas portuguesas de maior dimensão, quase todas sociedades anónimas, pertencentes a diversos setores de atividade e localizadas nos mais diversos locais do território português. Na análise de dados foi dada ordem, organização e interpretação aos elementos descritivos recolhidos para se obterem conclusões úteis e credíveis.

Resultados: A investigação revela que os inquiridos, responsáveis pela prevenção e deteção da fraude em empresas portuguesas, atribuem uma maior importância à experiência profissional dos recursos humanos afetos ao departamento de auditoria, à materialidade e qualidade na execução dos testes e tarefas de auditoria, e à motivação e empenho da gestão/administração. Por sua vez, os inquiridos valorizam menos a oportunidade e duração das tarefas de auditoria, a qualidade da documentação de suporte inerente ao trabalho executado na auditoria, bem como a existência de manuais de procedimentos de auditoria interna.

Implicações práticas: Melhor conhecimento das práticas de prevenção e deteção da fraude seguidas por empresas portuguesas.

Contributo: Este estudo contribui com as perceções de responsáveis de empresas portuguesas com responsabilidades na prevenção e deteção da fraude, adicionando valor aos estudos que se têm centrado nas perceções dos auditores financeiros.


Full Text:

PDF

References


Alissa, W., V. Capkun, T. JeanJean, & N. Suca. 2014. “An empirical investigation of the impact of audit and auditor characteristics on auditor performance.” Accounting, Organizations and Society 39 (7): 495-510. https://doi.org/10.1016/j.aos.2014.06.003

Almeida, B. 2005. Auditoria e sociedade: Diferenças de expectativas. Lisboa: Publisher Team.

Almeida, B. 2017. “Audit role in today’s society: The Portuguese perspective.” Review of Applied Management Studies 15 (1): 42-57. https://doi.org/10.1016/j.tekhne.2017.07.004

Alzoubi E. S. S. 2018. “Audit quality, debt financing, and earnings management: Evidence from Jordan.” Journal of International Accounting, Auditing and Taxation 30: 69-84. https://doi.org/10.1016/j.intaccaudtax.2017.12.001

Arens, A., M. Beasley, & R. Elder. 2014. Auditing and assurance services. New Jersey: Pearson Prentice Hall.

Attie, W. 2011. Auditoria: Conceitos e aplicações. São Paulo: Atlas.

Batista, N. (2017), “SIPTA Sistema Informático de Papéis de Trabalho de Auditoria.” Revisores e Auditores 76 (1): 26-31. http://www.oroc.pt/fotos/editor2/Revista/76/TI3.pdf

Canedo, J., O. Guedes, & A. Monteiro. 2009. Manual de auditoria tributária. Lisboa: Direcção Geral dos Impostos.

Carreira, F., P. Heliodoro, & M. Lopes. 2014. “A concentração da atividade dos auditores e a opinião do auditor”, Artigo apresentado nas XXIV Jornadas Luso-Espanholas, Leiria, Fevereiro 6-8.

Costa, C. 2017. Auditoria financeira: Teoria e prática. Lisboa: Rei dos Livros.

Golden, T., S. Skalak, & M. Clayton. 2011. A guide to forensic accounting investigation. New Jersey: John Wiley & Sons.

Gonçalves, S. 2011. “Fraude de relato financeiro,” Revisores e Auditores 52 (1): 12-21. http://www.oroc.pt/fotos/editor2/Revista/Auditoria.pdf

Gupta, P., & S. Gupta. 2015. “Corporate frauds in India: Perceptions and emerging issues.” Journal of Financial Crime 22 (1): 79-103. https://doi.org/10.1108/JFC-07-2013-0045

Hopwood, W., J. Leiner, & G. Young. 2012. “Forensic accounting and Fraud Examination. New York: McGraw-Hill.

ISA 200 2009. Objetivos gerais do auditor independente e condução de uma auditoria de acordo com as normas internacionais de auditoria. International Federation of Accountants.

ISA 210 2009. Acordar os termos de trabalhos de auditoria. International Federation of Accountants.

ISA 230 2009. Documentação de auditoria. International Federation of Accountants.

ISA 240 2009. As responsabilidades do auditor relativas a fraude numa auditoria de demonstrações financeiras. International Federation of Accountants.

ISA 300 2009. Planear uma auditoria de demonstrações financeiras. International Federation of Accountants.

ISA 320 2009. A materialidade no planeamento e na execução de uma auditoria. International Federation of Accountants.

Knechel, W. R., & S. E. Salterio. 2016, Auditing: assurance & risk. New York and London: Routledge.

Li, H., J. Dai, T. Gershberg, & M. Vasarhelyi. 2018. “Understanding usage and value of audit analytics for internal auditors: An organizational approach.” International Journal of Accounting Information Systems 28: 59–76. https://doi.org/10.1016/j.accinf.2017.12.005

Marques, F., & N. Marçal. 2011. Manual de auditoria e controlo interno no sector público. Lisboa: Edições Sílabo.

McKee, T., & A. Eilifsen. 2000. “Current Materiality Guidance for Auditors.” The CPA Journal 70 (7): 54-57. https://www.questia.com/magazine/1P3-57293131/current-materiality-guidance-for-auditors

OROC 2013. Continuidade: Estudo de um caso. OCC Newsletter, abril/junho.

Pehlivan, A., & B. Gerekan. 2012. “Factors affecting the success of auditors in Turkey.” African Journal of Business Management 6 (20): 6203-6208. https://doi.org/10.5897/AJBM11.2875

Plant, K., K. Barac, & H. Jager. 2017. "Developing early career professional auditors at work: What are the determinants of success?" Meditari Accountancy Research 2 5(3): 368-390. https://doi.org/10.1108/MEDAR-03-2017-0119

Rezaee, Z. 2004. “Restoring public trust in the accounting profession by developing anti-fraud education, programs, and auditing.” Managerial Auditing Journal 19 (1): 134-148. https://doi.org/10.1108/02686900410509857

Taborda, D. 2015. Auditoria: Revisão legal das contas e outras funções do revisor oficial de contas. Lisboa: Sílabo.

Texier, J. 2011. “A experiência do auditor como factor determinante da qualidade da auditoria. Lisboa”, Dissertação de Mestrado, Universidade Católica Portuguesas de Lisboa.

Tribunal de Contas de Portugal 2016. Manual de auditoria – Princípios fundamentais. Lisboa: TCP.

Wells, J. 2009. Manual da fraude na empresa: Prevenção e detecção. Coimbra: Almedina.

Zahmatkesh, S., & J. Rezazadeh. 2017. “The effect of auditor features on audit quality.” Review of Applied Management Studies, 15(2), 79-87. https://doi.org/10.1016/j.tekhne.2017.09.003




ISSN 2183-5594

Indexing: GOOGLE SCHOLAR - LATINDEX - DRJI