As ferramentas digitais e o turismo para pessoas portadoras de necessidades especiais: um estudo preliminar

Cátia Macedo, Bruno Sousa

Abstract


Objetivo: Perceber de que forma as organizações abordam o marketing digital, mais especificamente, no que respeita ao marketing utilizado no turismo para portadores de necessidades especiais. Procura-se adquirir uma visão abrangente dos websites das cinco maiores cadeias hoteleiras, em Portugal, quanto à utilização dos padrões de acessibilidade e, assim, encontrar respostas relevantes e precisas quanto ao modo como as organizações utilizam as ferramentas digitais para pessoas portadoras de necessidades especiais.

Metodologia: Numa primeira fase realizar-se-á uma pesquisa para identificar as maiores cadeias hoteleiras em Portugal. Após compilar os links de cada página principal dos cinco websites, será conferido se cada website possui o respetivo símbolo de acessibilidade. Posteriormente, utilizar-se-á uma ferramenta de análise automática e manual.

Originalidade: As empresas devem ter consciência do tipo de limitações ou incapacidades que mais dificultam o acesso à web, pois terão certamente perdas muito substanciais. O acesso universal, quer às páginas web quer às infraestruturas, potencia o aumento da procura, abrange todo o público-alvo da sociedade e reduz a sazonalidade.

Resultados: Com o estudo realizado, procurou-se perceber de que modo as organizações utilizam as ferramentas digitais para pessoas portadoras de necessidades especiais, tendo-se concluído que as organizações consideradas não cumprem os requisitos mínimos das diretrizes de acessibilidade WCAG, aspeto esse que aparentemente não constitui uma prioridade. As páginas web destas organizações expõem barreiras que impedem a inclusão digital.

Implicações práticas: O presente estudo representa um importante contributo na forma como poderão ser, por vezes, negligenciadas as questões ligadas à acessibilidade no eTourism, sendo uma área que carece de aprofundamento, pois a incorporação da acessibilidade na web, além de revelar um ganho social e inclusivo, impulsiona a atração de novos mercados e de projetos com maior qualidade.

Limitações da investigação: Por se tratar de uma abordagem preliminar, o presente manuscrito apresenta algumas limitações de natureza amostral e de análise e discussão de resultados. Estudos futuros permitirão aos investigadores desenvolver o trabalho empírico e apresentar novos contributos numa perspetiva interdisciplinar (contributos para o turismo, o marketing e para a gestão hoteleira).

Full Text:

PDF

References


Alles, M. (2009). Turismo accesible: importancia de la accesibilidad para el sector turístico. Entelequia: revista interdisciplinar, 9, p. 211-224.

Altinay, Z., Saner, T., Bahçelerli, N. M., & Altinay, F. (2016). The role of social media tools: accessible tourism for disabled citizens. Journal of Educational Technology & Society, 19(1), 89.

Bigne, J. E., Sanchez, M. I., & Sanchez, J. (2001). Tourism image, evaluation variables and after purchase behaviour: inter-relationship. Tourism management, 22(6), 607-616.

Buhalis, D., Eichhorn, V., Michopoulou, E., & Miller, G. (2005). Accessibility market and stakeholder analysis. University of Surrey y One Stop Shop for Accessible Tourism in Europe (OSSATE).

comAcesso (2017). Ferramentas de validação automática. comAcesso.

Castro, C. (2017). A Comunicação do Turismo Acessível: Um Estudo sobre as Atrações Turísticas da Cidade do Porto. Dissertação de mestrado. Porto: Faculdade de Economia da Universidade do Porto.

Conforto, D., & Santarosa, L. (2002). Acessibilidade à Web: Internet para todos. Informática na educação: teoria & prática. Porto Alegre, 5 (2), p. 87-102.

Cunha, L., & Abrantes, A. (2013). Introdução ao Turismo (5ª Ed.). Lisboa: LIDEL, Edições Técnicas, Lda.

Darcy, S. (1998). Anxiety to access: The tourism patterns and experiences of new South Wales people with a physical disability. Sydney: Tourism New South Wales.

Darcy, S., Ambrose, I., Schweinsberg, S., & Buhalis, D. (2011). Conclusion: universal approaches to accessible tourism. Accessible tourism: Concepts and issues, p. 300-316. Bristol: Channel View Publications.

Darcy, S., Cameron, B., & Pegg, S. (2011). Developing a business case for accessible tourism. Accessible tourism: Concepts and issues, p. 241-259. Bristol: Channel View Publications.

Darcy, S., & Dickson, T. (2009). A whole-of-life approach to tourism: The case for accessible tourism experiences. Journal of Hospitality and Tourism Management, 16 (1), p. 32-44.

Deloite (2017). A arte do crescimento Atlas da Hotelaria 2017 – 12ª edição. Deloitte Consultores, S.A.

Eichhorn, V., & Buhalis, D. (2011). Accessibility: A key objective for the tourism industry. Accessible tourism: Concepts and issues, p. 46-61. Bristol: Channel View Publications.

ENAT (2017). European Network for Accessible Tourism.

EU (2017b). Press releases database. European Commission.

EUR-LEX Europe (2016). Diretiva (UE) 2016/2102 do Parlamento Europeu e do Conselho, de 26 de outubro de 2016, relativa à acessibilidade dos sítios web e das aplicações móveis de organismos do setor público. EUR-Lex Access to European Union law.

Gouveia, P., Mendes, D., & Simões, J. (2010). Turismo Acessível em Portugal-lei, oportunidades económicas, informação. Instituto Nacional para a Reabilitação, I.P. Include, Coleção Informar, n.º 7.

Gonçalves, C. (2003). Enquadramento familiar das pessoas com deficiência: Uma análise exploratória dos resultados dos Censos 2001. Revista de Estudos Demográficos, 33, p. 69-94.

Hoyo, M., & Valiente, G. (2010). Turismo accesible, turismo para todos: la situación en Cataluña y España. Cuadernos de Turismo, 25, p. 25-44.

ICVM (2017). Acessibilidade e Mobilidade para todos. Secretariado Nacional de Reabilitação e Integração das Pessoas com Deficiência. Site oficial, consultado a 15 de dezembro de 2017 de http://icvm.pt/en.

INE (2012). Censos 2011. Instituto Nacional da Estatística.

INR (1996). Inquérito Nacional às Incapacidades, Deficiências e Desvantagens. Instituto Nacional para a Reabilitação, I.P.

IRN (2018). Programas e Projectos. Instituto Nacional par a Reabilitação, IP.

Lages, R.; Sousa, B. & Azevedo, A. (2018). O posicionamento e a imagem em contextos de marketing de destinos turísticos: estudo de caso aplicado à cidade de Braga, European Journal of Applied Business Management, Special Issue, pp. 15-32.

Macedo, C. (2018). Utilização de ferramentas digitais em contextos específicos de turismo: um estudo na ótica das pessoas portadoras de necessidades especiais. Dissertação de mestrado. Instituto Politécnico do Cávado e Ave (IPCA).

Michopoulou, E., & Buhalis, D. (2014). Usability requirements for accessible tourism systems. e-Review of Tourism Research (e-RTR).

Michopoulou, E., Darcy, S., Ambrose, I., & Buhalis, D. (2015). Accessible tourism futures: the world we dream to live in and the opportunities we hope to have. Journal of Tourism Futures, 1 (3), p. 179-188.

Minghetti, V., & Buhalis, D. (2009). Digital Divide in Tourism. Journal of Travel Research, XX (X), p. 1-15.

Montes, R., & Aragall, F. (2009). Turismo Acessível ou Turismo para Todos? Sustentabilidade de Negócio. Revista Turismo & Desenvolvimento, 11, p. 141-145.

OMT (1999). O Código Mundial de Ética do Turismo. Resolução adoptada pela Assembleia Geral da Organização Mundial do Turismo A/RES/406 (XIII) 13ª reunião, Santiago do Chile, Setembro/Outubro 1999.

Puhretmair, F., & Nussbaum, G. (2011). Web design, assistive technologies and accessible tourism. Accessible tourism: Concepts and issues, p. 274-286. Bristol: Channel View Publications.

Sousa, B. (2014). O impacto do place attachment e de emoções na satisfação e lealdade em regiões turísticas transfronteiriças: uma perspetiva de marketing de nichos aplicado à Euro-região Norte de Portugal e Galiza. Tese de doutoramento do Programa Doutoral em Marketing e Estratégia. Braga: Universidade do Minho.

Sousa, B., Casais, B. & Pina, G. (2017). A influência da marca territorial na predisposição do consumidor turístico: O caso Cabo Verde. European Journal of Applied Business and Management, Special Issue, pp. 324-335, ISSN 2183-5594.

Sousa, B. & Ribeiro, I. (2018). City marketing e os eventos: Um estudo de caso aplicado ao Carnaval de Ovar, European Journal of Applied Business Management, Special Issue, pp. 73-84.

Sousa, B. & Vasconcelos, S. (2018). Branding territorial e o papel da imagem no comportamento do consumidor em turismo: O caso de Arouca: o caso do destino de Arouca, European Journal of Applied Business Management, Special Issue, pp. 1-14.

Vila, T., Darcy, S., & González, E. (2015). Competing for the disability tourism market–a comparative exploration of the factors of accessible tourism competitiveness in Spain and Australia. Tourism Management, 47, p. 261-272.

Vos, S., & Michopoulou, E. (2006). Inventory of accessibility schemes and data sets within the EU-tourism sector. EWORX S.A.: Shop for Accessible Tourism in Europe (OSSATE).

W3C (2017). Accessibility. World Wide Web Consortium.

WHO (2011). World report on disability. Geneva: World Health Organization.

Turismo de Portugal (2018). Turismo Acessível.

Turismo de Portugal (2012). Guia de boas práticas de acessibilidade – Turismo ativo. Turismo de Portugal, I.P.

Unidade ACESSO (2017a). AccessMonitor: Nota técnica. Unidade ACESSO.




ISSN 2183-5594

Indexing: GOOGLE SCHOLAR - LATINDEX - DRJI