Novos Cenários e desafios para (o turismo em) Guimarães

Clara Vasconcelos, Laurentina Vareiro, Bruno Sousa

Abstract


Objetivos: O principal estudo visa compreender o real momento que se segue na estratégia de desenvolvimento de Guimarães e avaliar se as opções definidas assumem a mesma matriz ou se refletem uma mudança de paradigma. Em específico, pretende-se compreender os novos cenários e desafios para o turismo em Guimarães.

 Metodologia: a presente investigação assenta na análise documental e consulta de documentos oficiais sobre as mudanças que se deslumbram no território. A investigação deverá conduzir à recolha de dados primários através de entrevistas semiestruturadas a alguns stakeholders e elaboração de um grupo de foco junto de residentes daquela cidade.

 Resultados: O resultado permitiu esclarecer que o modelo de desenvolvimento definido para o destino Guimarães mantêm as mesmas linhas orientadoras, ou seja o património, a história e a cultura, mas acrescenta uma dimensão que ganha mais significado no mundo atual, a sustentabilidade. A pretensão de alargar a área classificada como Património Mundial ou de ser Capital Verde Europeia em 2020 continua a ir de encontro à ambição de distinguir Guimarães num contexto global e assim dotar a cidade de uma maior notoriedade e atratividade.

 Implicações práticas: O presente estudo constitui um instrumento de auxílio da gestão territorial em contextos específicos de turismo numa ótica de desenvolvimento regional e marketing.

Contributo: a competitividade entre países, regiões ou cidades determina opções estratégicas que visam dotar os territórios de atributos diferenciadores que possam sustentar o seu desenvolvimento, melhorar a vida das comunidades e ampliar a sua atratividade. No caso particular do turismo, a associação dos destinos a determinada imagem ou marca pode permitir-lhes aumentar a visibilidade e melhorar o seu posicionamento, o que parece justificar a proliferação de candidaturas a eventos e prémios de dimensão internacional.

Full Text:

PDF

References


Almeida, P., Miranda, F. e Elias-Almeida, A. (2012). Aplicação da análise importância-valor aos componentes da imagem de um destino turístico. Tourism & Management Studies, 8, 65-77.

Azevedo, A. (2009). “Are you proud to live here?” A resident oriented place marketing audit (attachment, self-esteem and identity). Paper submetido para o European Marketing Academy, Nantes, França, 26 a 29 de maio de 2009.

Azevedo, A., Pereira, J., Magalhães, D. (2010). City marketing - my place in XXI. Vida Económica Livraria, Lisboa.

Barretto, M. (2006). Manual de Iniciação ao Estudo do Turismo (17.ª ed). São Paulo: Papirus Editora.

Borges, R., Marujo, N. e Serra, J. (2013). Turismo cultural em cidades património mundial: a importância das fontes de informação para visitar a cidade de Évora. Tourism and Hospitality International Journal, 1, 137-156.

Câmara Municipal de Guimarães. (2001). Guimarães – Centro Histórico, Património da Humanidade. Guimarães: Câmara Municipal de Guimarães.

Câmara Municipal de Guimarães. (2015a). Plano Estratégico de Desenvolvimento Urbano. Guimarães: Câmara Municipal de Guimarães.

Câmara Municipal de Guimarães. (2015b). Formulário da Lista Indicativa dos Bens Culturais. Guimarães: Câmara Municipal de Guimarães.

Câmara Municipal de Guimarães. (s.d.). Guimarães Mais Verde. Acedido em 14 de dezembro de 2017. Disponível em: http://www.cm-guimaraes.pt/pages/1092

Coelho, M. (1997). Património Mundial. Lisboa: Estar Editora.

Comissão Europeia. (s.d.). Environment. European Green Capital. Acedido em 14 de dezembro de 2017. Disponível em: http://ec.europa.eu/environment/europeangreencapital/index_en.htm

Comissão Nacional da UNESCO. (s.d.) Património Mundial em Portugal. Acedido em 28 de dezembro de 2017. Disponível em: https://www.unescoportugal.mne.pt/pt/temas/proteger-o-nosso-patrimonio-e-promover-a-criatividade/patrimonio-mundial-em-portugal

Cooper, C., Fletcher, J., Fyall, A., Gilbert, D. e Wanhill, S. (2007). Turismo: princípios e práticas (3.ª ed). Porto Alegre: Bookman.

Cunha, L. (2001). Introdução ao Turismo. Lisboa: Editorial Verbo.

Fernández, J. e Lanuza, A. (2015). El impacto del turismo en los Sitios Patrimonio de la Humanidad. Una revisión de las publicaciones científicas de la base de datos Scopus. PASOS. Revista de Turismo y Patrimonio Cultural, 13 (5), 1247-1264.

Gabriel, L. e Soares, J. (2017). El uso de la imagen turística en la promoción de los destinos patrimoniales. Tourism and Hospitality International Journal, 8 (2), 51-67.

Gaio, S. & Gouveia, L. (2007). O Branding Territorial: uma abordagem mercadológica à Cidade. Revista A Obra Nasce. Edições UFP. ISSN 1645-8729, pp 27-36.

Guimarães Turismo. (s.d.). Observatório. Acedido em 30 de dezembro de 2017. Disponível em: http://www.guimaraesturismo.com/pages/288

Hall, C. (2004). Planejamento turístico: políticas, processos e relacionamentos. São Paulo: Contexto.

Henriques, C. (2003).Turismo, Cidade e Cultura - Planeamento e Gestão Sustentável. Lisboa: Edições Sílabo.

ICOMOS – Comissão Nacional Portuguesa. (2017). Património Mundial – Proposta de alargamento da Classificação para a Zona de Couros. Lisboa: ICOMOS.

Kavaratzis, M. (2004). From city marketing to city branding: Towards a theoretical framework for developing city brands. Place Branding Vol. 1, 1, 58–73.

Kavaratzis, M., & Ashworth, G.J. (2005). City branding: an effective assertion of identity or transitory marketing trick? Royal Dutch Geographical Society KNAG.

Kotler, P., Haider, D. H., & Rein, I. (1993). Marketing Places: Attracting Investment, Industry, and Tourism to Cities, States and Nations. New York: Free Press.

Kotler, P., Asplund, C., Rein, I. & Heider, D. (1999). Marketing Places Europe: Attracting Investments, Industries, Residents and Visitors to European Cities, Communities, Regions and Nations. Pearson Education, London, UK.

Kotler, P., & Gertner, D. (2004). Country as brand, product and beyond: a place marketing and brand management perspective. In: Nigel Morgan, Annette Pritchard, Roger Pride (ed.), Destination branding: creating the unique destination proposition, Elsevier, Oxford: 40-56.

Kotler, P., & Armstrong, G. (2011). Principles of Marketing. Prentice Hall, New Jersey, 14th Edition.

Lages, R., Sousa, B., & Azevedo, A. (2018). O posicionamento e a imagem em contextos de marketing de destinos turísticos: estudo de caso aplicado à cidade de Braga. European Journal of Applied Business and Management, 3(2), pp. 15-32.

Marques, V. (2011). Turismo cultural em Guimarães - O perfil e as motivações do visitante. Dissertação de Mestrado. Instituto de Ciências Sociais. Universidade do Minho. Braga.

Marques, V., Remoaldo, P., Vareiro, L. e Ribeiro, J. (2015). Perfil dos visitantes e perceções do destino Guimarães antes e após a CEC 2012. Tourism for the 21st Century - Proceedings of the CIT 2015, 563-580.Barcelos: Instituto Politécnico do Cávado e do Ave.

Marujo, N. (2015). O Estudo Académico do Turismo Cultural. TURyDES – Revista de Turismo y Desarrollo, 8 (18).

Marujo, N. e Carvalho, P. (2010) Turismo, planeamento e desenvolvimento sustentável. Turismo & Sociedade, 3 (2), 147-161.

Mateus, A. (2012). A Competitividade do Centro Histórico de Guimarães e a Plataforma das Artes e da Criatividade: Diagnóstico, Estratégia e Prospetiva – Relatório Final. Guimarães: Câmara Municipal de Guimarães.

Medeiros, C., Salgueiro, T. e Ferrão, J. (2005). Geografia de Portugal. Sociedade, Paisagem e Cidades 2. Lisboa: Círculo de Leitores.

Organização Mundial do Turismo. (2001). Introdução ao Turismo. São Paulo. Roca.

Pereira, P., Santandreu, R. e Nascimento, C. (2001). Portugal – Património Mundial. Lisboa: Pandora Edições.

Pérez, X. (2009). Turismo cultural. Uma visão antropológica. Tenerife: ACA, PASOS.

Pordata. (2017). Turismo. Acedido em 30 de dezembro de 2017. Disponível em: https://www.pordata.pt/Municipios

Remoaldo, P., Santos, J., Ribeiro, J. e Vareiro, L. (2011). Potenciais impactos para Guimarães do acolhimento da Capital Europeia da Cultura 2012: uma análise baseada em experiências anteriores. Revista Eletrónica de Turismo Cultural, 5 (1), 56-73.

Richards, G. (1996). The Scope and Significance of Cultural Tourism. In Richards, G. (Ed.), Cultural tourism in Europe. Wallingford: Cabi International.

Richards, G. (2009). Turismo cultural: Padrões e implicações. In de Camargo, P. and da Cruz, G. (Eds.) Turismo Cultural: Estratégias, sustentabilidade e tenêencias. UESC: Bahia, 25-48.

Richards, G. (2013).The impact of culture on tourism. Paris: OECD.

Sousa, B. & Ribeiro, I. (2018). City marketing e os eventos: Um estudo de caso aplicado ao Carnaval de Ovar, European Journal of Applied Business Management, Special Issue, pp. 73-84.

Sousa, B. & Vasconcelos, S. (2018). Branding territorial e o papel da imagem no comportamento do consumidor em turismo: O caso de Arouca: o caso do destino de Arouca, European Journal of Applied Business Management, Special Issue, pp. 1-14.

Turismo de Portugal, IP. (s.d.). Registo Nacional de Turismo. Acedido em 14 de dezembro de 2017. Disponível em: https://rnt.turismodeportugal.pt/RNAL

UNESCO. (1972). Convention concerning the protection of World Cultural and Natural Heritage. Paris: UNESCO.

UNESCO. (s.d.). World Heritage List. Acedido em 14 de novembro de 2017. Disponível em: http://whc.unesco.org/en/list/

Vaquero, M. (2006). La ciudad histórica como destino turístico. Barcelona: Ariel.

Vareiro, L., Ribeiro, J., Remoaldo, P. e Marques, V. (2016). Tourists’ motivation toward visiting a World Heritage Site: the case of Guimarães. In Henriques, C., Moreira, M. C., César, P. A. B. (Eds.)

(2016),Tourism and History World Heritage – Case Studies of Ibero-American Space, 99-121.




ISSN 2183-5594

Indexing: GOOGLE SCHOLAR - LATINDEX - DRJI