Empreender no feminino em Portugal: Motivações e obstáculos

Susana Bernardino, J. Freitas Santos, Catarina Cardoso

Abstract


Propósito: Este artigo tem como objetivo estudar a prática do empreendedorismo feminino (EF) em Portugal, em particular compreender o que leva as mulheres empreendedoras a criarem o seu próprio negócio e identificar os principais obstáculos com que se deparam na criação e gestão dos seus negócios.

Desenho/metodologia/abordagem: A metodologia adotada é qualitativa, realizada com base em estudos de caso a seis empreendedoras portuguesas de diferentes áreas de atividade residentes no norte do país.

Resultados: Os resultados mostram que a maioria das entrevistadas empreende pela possibilidade de se tornar dona do seu próprio destino e de poder gerir livremente o tempo ao seu dispor. No entanto, a maioria das entrevistadas consideram que quando estavam empregadas era mais simples conciliar a vida familiar com a vida profissional. A questão burocrática foi a mais referida como barreira ao início da atividade. Verifica-se ainda que a maioria das empreendedoras não sente qualquer discriminação de género.

Limitações da investigação: Como principais limitações apontam-se a natureza exploratória da investigação e a concentração das entrevistas no norte do País.

Implicações práticas: O conhecimento sobre o EF é importante para que os poderes públicos possam conceber políticas que estimulem de uma forma eficaz a criação de novos negócios.

Originalidade/valor: O EF é uma área com enorme potencial em termos de criação de valor. No entanto, os estudos empíricos existentes sobre as motivações e obstáculos para a prática do EF são ainda escassos. Este artigo oferece um estudo em profundidade do tema, com base no testemunho de mulheres empreendedoras.

 

Palavras-Chave: empreendedorismo; género; mulher; Portugal


Full Text:

PDF

References


Aparicio, S.; Urbano, D. & Audretschc, D. (2015). Institutional factors, opportunity entrepreneurship and economic growth: Panel data evidence. Technological Forecasting and Social Change, 102, 45–61.

Baggio, A. (2014). Empreendedorismo: Conceitos e definições. Cidade, Editora.

Boaventura, M. (2010). Género e empreendedorismo: mulheres empreendedoras no setor de moda em belo horizonte. Dissertação de Mestrado em Administração. Faculdade Novos Horizontes, Brasil.

Brito, L. (2008). Pequeno Guia de Inquérito por Questionário. Moçambique. Instituto de Estudos Sociais e Económicos.

Brush, C. (2008). Women Entrepreneurs: A Research Overview. Em M. Casson, B. Yeung, A. Basu & N. Wadeson (Eds.) The Oxford Handook of Entrepreneurship (Pp- 611-268), Oxford, Oxford University Press.

Capontes, C. (2012). Género e Empreendedorismo em Portugal: Estudo empírico com base nos dados do Global Entrepreneurship Monitor. Dissertação de Mestrado em Gestão das Organizações, Instituto Politécnico de Bragança, Portugal.

Carter, S. L. & Shaw, E. (2006). Women’s Business Ownership: Recent Research and Policy Developments. Sheffield: Small Business Service.

Casero, J., Mogollón, R., Escobebo, M. & Jiménez, M. (2010). Actividad emprendedora y género. Um Estudio Comparativo. Revista Europeia de Dirección y Economía la Empresa, 19(2), 83-98.

Comissão Europeia (2014). Exchange of good practices on gender equality. Encouraging Female Entrepreneurship. European Comission.

Comissão Europeia. (2003). Livro verde: espírito empresarial na Europa. Bruxelas.

Cramer, L., Cappelle, M., Andrade, Á., & Brito, M. (2012). Representações Femininas Da Ação Empreendedora: Uma Análise Da Trajetória Das Mulheres No Mundo Dos Negócios. Revista ReGePe, 1(1), 53-71. doi:10.14211/regepe.v1i1.1

Fernandes, A. & Carvalho, L. (2017). Perfil das Mulheres Empreendedoras: Um estudo aplicado a Gestoras de Pequenas e Médias Empresas do Concelho de Viseu. Livro de atas da 7.ª Conferência Ibérica de Empreendedorismo, Esposende, 8-9 Junho, 68- 72.

Fórum Económico Mundial (2016). The Global Gender Gap Report 2016, World Economic Forum, Acedido em março 13, 2017, de http://www3.weforum.org/docs/GGGR16/WEF_Global_Gender_Gap_Report_2016.pdf

Freire, D. A., Corrêa, R., & Ribeiro, H. C. (2011). Género e empreendedorismo: um olhar sobre a pesquisa do G.E.M. Global Enterpreneurship Monitor.

Frota, E., Nascimento, J., Lucas, M., Xeruti, M. Cunha, S. (2014). O empreendedorismo feminino e a sua presença nas PME’S. Revista Fórum de Administração, 6(1), 761-777.

Garcia, M., & Moren, J. (2010). Entrepreneurial intention: the role of gender. International Entrepreneurship and Management Journal, 6(3), 264-283.

GEM (2017). Global Report 2016/17, Global Entrepreneurship Monitor.

GEM. (2013). Uma Década de Empreendedorismo em Portugal. GEM Portugal 2013.

Gimenez, F., Ferreira, J., & Ramos, S. (2017). Empreendedorismo Feminino no Brasil: Gênese e Formação de Um Campo de Pesquisa. Revista ReGePe, 6(1), 40-74. doi:10.14211/regepe.v6i1.450.

Harris, M., & Gibson, S. (2008). Examining the Entrepreneurial Attitudes of US Business Students. Education and Training, 50(7), 568-581.

Heilman, M. (1983). Sex bias in work settings: The lack of fit model. Research in Organizational Behavior, 5, 269-298.

Hisrich, R. (2007). Empreendedorismo. Porto Alegre: Bookman.

IFDEP (2014). Empreendedorismo feminino: um olhar sobre Portugal. IFDEP Research.

Kariv, D. (2013). Female entrepreneurship and the new venture creation- An international overview. London, Routledge Taylor & Francis Group.

Kepler, E. & Shane, S. (2007). Are male and female entrepreneurs really that different? Small Business Research Summary, Report number 309.

Kirzner, I. (2015). Competition & Entrepreneurship. Chicago, The Univesity of Chicago Press.

Lima, L. & Nassif, V. (2017). Capital psicológico e comportamento empreendedor sob uma análise da trajetória de mulheres empreendedoras. Revista de Sustentabilidade e Empreendedorismo, 2(1), 183-206.

Machado, V. (2002). Identidade empreendedora de mulheres no Paraná. Tese de Doutoramento em Engenharia de Produção, Universidade Federal de Santa Catarina, Brasil.

Marlow, S., & Patton, D. (2005). All credit to men? Entrepreneurship, finance, and gender. Entrepreneurship: Theory and Practice, 29(6), 717-735.

Martinho, S. (2012). Empreendedorismo Feminino: Motivações, características e obstáculos das mulheres empreendedoras em Portugal. Dissertação de Mestrado em Empreendedorismo e Criação de Empresas, Universidade da Beira Interior, Portugal.

Meirinhos, M. & Osório, A. (2010). O estudo de caso como estratégia de investigação em educação. EDUSER: revista de educação, 2(2), 49-65.

Minniti, M., & Nardone, C. (2007). Being in someone else ́s shoes: the role of gender in nascent entrepreneurship. Small Business Economics, 28 (2), 223–238.

Nassif, V., Silva, N., Ono, A., Bontempo, P. & Tinoco, T. (2010). Empreendedorismo: área em evolução? Uma revisão dos estudos e artigos publicados entre 2000 e 2008. Revista de Administração e Inovação, 7 (1), 175-193.

Oliveira, M. Menezes, R., Silva, F. (2016). O empreendedorismo sob o olhar de micro e pequenas empresárias. Revista Brasileira de Economia Doméstica, 27 (2), 175-204.

Pais, J. (2014). Diferenças entre géneros no empreendedorismo. Dissertação de Mestrado, Universidade Europeia.

Pereira, J. (2016). Empreendedorismo Feminino no ensino superior: Análise do Instituto Politécnico do Porto. Dissertação de Mestrado em Gestão das Organizações, Politécnico do Porto, Portugal.

Ribeiro, M.C., Santos, L. & Martins, D. (2017). Female entrepreneurship in Portugal: Case Study for micro companies in the North of Portugal. Livro de atas da 7.ª Conferência Ibérica de Empreendedorismo, Esposende, 8-9 Junho, 299- 306.

Roncolato, L., Reksten, N. & Grown, C. (2017) Engendering Growth Diagnostics: Examining Constraints to Private Investment and Entrepreneurship, Development Policy Review, 35 (2), 263–287.

Sanches, F. C., Schmidt, C. M., Daga Cielo, I. & Schmitz Kühn, M. (2013). Empreendedorismo feminino: Um estudo sobre sua representatividade no município de Toledo – Paraná, Revista de Gestão e Secretariado, 4 (2), 134-150.

Santos, C., Neto, A., Caeiro, M., Versiani, F. & Martins, M. (2016). As mulheres estão quebrando as três paredes de vidro? Um estudo com empreendedoras mineiras. E&G Economia e Gestão, 16(45), 126-149.

Sarri, K. & Trihopoulou, A. (2005). Female entrepreneurs personal characteristics and innovation: a review of the Greek situation. Women in Management Review, 20 (1), 25-36.

Sena, V., Scott, J. & Roper, S. (2012). Gender, borrowing patterns and self-employment: some evidence for England. Small Business Economics, 38(4), 467-480.

Shapero, A. & Sokol, L. (1982). The social dimension of entrepreneurs, in C. Kent, D. Sexton & K. H. Vesper (Eds). The Encyclopedia of Entrepreneurship (Pp. 72-90). Englewood Cliffs, Prentice-Hall.

Silveira, A., & Gouvêa, A. B. (2008). Empreendedorismo Feminino: Mulheres Gerentes de Empresas. Faces Revista de Administração, 7 (3), 124-138.

Singh, J., & Agrawal, A. (2011). Recruiting for ideas: how firms exploit the prior inventions of new hires. Management Science, 57(1), 129-150.

Sinha, E. (2013). Women Entrepreneurship with Special Reference to Bardoli, Gujarat, IMR’s Management Research Journal, 3 (1), 30-35.

Takahashi, A. (2005). Planeamento estratégico e gestão feminina em pequenas empresas: o caso das escolas particulares em Curitiba, Scielos, 39, 29-44.

Winkler, C. & Medeiros, J. (2011). Mulheres empreendedoras: Uma questão de género. Livro de Actas do Simpósio Género e Políticas Públicas, 1-14. Londrina.




ISSN 2183-5594

Indexing: GOOGLE SCHOLAR - LATINDEX - DRJI