Perceção dos inspetores tributários na prevenção e deteção da fraude

Rui Costa Robalo, Sérgio Antunes Silva

Abstract


Objetivo: Este trabalho pretende analisar, na perspetiva do auditor externo corporizado no inspetor tributário, enquanto funcionário da Autoridade Tributária e Aduaneira, qual a valorização que estes auditores atribuem ao trabalho de auditoria, atendendo à prevenção e deteção da fraude nas empresas/organizações.

Metodologia: Recolha, através de questionário, das opiniões de 142 inspetores tributários em funções de inspeção tributária em Portugal. Na análise de dados foi dada ordem, organização e interpretação aos elementos recolhidos para se obterem conclusões úteis e credíveis.

Resultados: A investigação revela que os inspetores da administração tributária atribuem uma maior importância à motivação e empenho da gestão/administração, à materialidade e qualidade na execução dos testes e tarefas de auditoria, destacando também a experiência profissional dos recursos humanos afetos ao departamento de auditoria. Por sua vez, os inspetores tributários valorizam menos a oportunidade e duração das tarefas de auditoria, a frequência da supervisão do trabalho de auditoria executado, bem como a existência de manuais de procedimentos de auditoria interna. Apesar da consistência destes resultados, o presente estudo permitiu detetar algumas diferenças entre os inspetores tributários inquiridos, decorrentes dos anos de profissão e da área de formação académica destes profissionais.

Originalidade: Este estudo atende à perspetiva dos auditores da administração tributária sobre os elementos integrantes do trabalho de auditoria que melhor contribuem para a deteção e prevenção da fraude. Dada a falta de trabalhos que se centrem neste tipo de auditores externos, este trabalho apresenta uma vertente inovadora e, simultaneamente, exploratória.

 

Palavras-chave: Auditoria, Auditor Financeiro, Fraude, Inspetor Tributário.


Full Text:

PDF

References


Alissa, W., Capkun, V., JeanJean, T., Suca, N. (2014) “An empirical investigation of the impact of audit and auditor characteristics on auditor performance”, Accounting, Organizations and Society, 39, 495-510.

Almeida, B. (2005) “Auditoria e sociedade: Diferenças de expectativas”, Publisher Team, Lisboa.

Amaro, A., Povoa, A., Macelo, L. (2004), “A arte de fazer questionários: Metodologias de investigação”, Faculdade de Ciências da Universidade do Porto, Porto.

Arens, A., Beasley, M., Elder, R. (2010), “Auditing and assurance services”, Pearson Prentice Hall, New Jersey.

Arens, A., Loebbecke, J. (1997), “Auditing: An integrated approach”, Pearson Prentice Hall, New Jersey.

Attie, W. (1998), “Auditoria: Conceitos e aplicações”, Atlas, São Paulo.

Camacho, J. (2013), “Relação entre a dimensão do auditor e qualidade de auditoria e os efeitos da crise de 2008 na qualidade da auditoria”, Dissertação de Mestrado, ISCTE-IUL, Lisboa (Portugal).

Canedo, J., Guedes, O., Monteiro, A. (2009), “Manual de auditoria tributária”, Direcção-Geral dos Impostos, Lisboa.

Carreira, F., Heliodoro, P., Lopes, M., (2014) “A concentração da atividade dos auditores e a opinião do auditor”, Trabalho apresentado nas XXIV Jornadas Luso-Espanholas, Leiria (Portugal).

Coenen, T. (2006), “The Fraud Files: Why didn’t our auditors find the fraud?”, Wisconsin Law Journal, January 25, 1-3.

Costa, C. (2014), “Auditoria financeira: Teoria e prática”, Rei dos Livros, Lisboa.

Cressey, D. (1953), “Other people's money: A study in the social psychology of embezzlement”, Patterson Smith, Montclair, N.J.

Decreto-Lei n.º 398/1998. Diário da Republica, n.º 290/1998, 1ª Série, de 17 de dezembro.

Decreto-Lei n.º 413/1998. Diário da Republica n.º 301/1998, 1ª Série, de 31 de dezembro.

Decreto-Lei n.º 117/2011. Diário da Republica n.º 239/2011, 1ª Série, de 15 de dezembro.

Decreto-Lei n.º 118/2011. Diário da Republica n.º 239/2011, 1ª Série, de 15 de dezembro.

Ghiglione, R., Matalon, B. (2001), “O inquérito: Teoria e prática”, Celta Editora, Oeiras.

Golden, T., Skalak, S., Clayton, M. (2005), “A guide to forensic accounting investigation”,: John Wiley & Sons, New Jersey.

Gonçalves, S. (2011), “Fraude de relato financeiro”, Revisores e Auditores, 52(1), 12-21.

Gramling, A., Johnstone, K., Rittenberg, L. (2010), “Auditing: A business risk approach”, Cengage Learning, Mason South-Western.

Gupta, P., Gupta, S. (2015), “Corporate frauds in India: Perceptions and emerging issues”, Journal of Financial Crime, 22(1), 79-103.

Hopwood, W., Leiner, J., Young, G. (2008), “Forensic accounting”, McGraw-Hill, New York.

ISA 200 (2009), “Objetivos gerais do auditor independente e condução de uma auditoria de acordo com as normas internacionais de auditoria”, International Federation of Accountants.

ISA 210 (2009), “Acordar os termos de trabalhos de auditoria”, International Federation of Accountants.

ISA 230 (2009), “Documentação de auditoria”, International Federation of Accountants.

ISA 240 (2009), “As responsabilidades do auditor relativas a fraude numa auditoria de demonstrações financeiras”, International Federation of Accountants.

ISA 300 (2009), “Planear uma auditoria de demonstrações financeiras”, International Federation of Accountants.

ISA 320 (2009), “A materialidade no planeamento e na execução de uma auditoria”, International Federation of Accountants.

Knechel, R. (2001) “Auditing, assurance & risk”, Thomson Learning, Cincinnati: South-Western.

Lei n.º 15/2001. Diário da Republica n.º 130/2001, 1ª Serie, de 5 de junho.

Marçal, N., Marques, F. (2011), Manual de auditoria e controlo interno no sector público. Lisboa: Edições Sílabo.

Ministério das Finanças (1996), “Relatório da Comissão para o desenvolvimento da reforma fiscal”, Disponível em: http://purl.sgmf.pt/COL-MF-0028/1/.

Ministério das Finanças (2013), “Balanço Social da Autoridade Tributária e Aduaneira”, Direção de Serviços de Gestão de Recursos Humanos.

Ministério das Finanças (2015), “Plano Estratégico de combate à fraude e evasão fiscais”, Gabinete do Secretario de Estado dos Assuntos Fiscais.

Morais, M. (2004), “Como emerge a auditoria interna nas pequenas e médias empresas em Portugal, Trabalho apresentado no X Congresso de Contabilidade, Estoril (Portugal).

McKee, T., Eilifsen, A. (2000), “Current Materiality Guidance for Auditors”, The CPA Journal, 70(7), 54-57.

OROC (2013), “Continuidade: Estudo de um caso”, Newsletter abril/junho.

Pehlivan, A., Gerekan, B. (2012), “Factors affecting the success of auditors in Turkey”, African Journal of Business Management, 6 (20), 6203-6208.

Quivy, R., Campenhoudt, L. (2008), “Manual de investigação em ciências sociais”, Gradiva, Lisboa.

Rezaee, Z., Sharbatoghlie, A., Elam, R. (2001), “Continuous auditing: The audit of the future”, Managerial Auditing Journal, 16(3), 150-158.

Rezaee, Z. (2004), “Restoring public trust in the accounting profession by developing anti-fraud education, programs, and auditing”, Managerial Auditing Journal, 19(1), 134-148.

Sarmento, M. (2008), Guia prático sobre a metodologia científica para a elaboração, escrita e apresentação de teses de doutoramento, dissertações de mestrado e trabalhos de investigação aplicada, Universidade Lusíada Editora, Lisboa (Portugal).

Taborda, D. (2006), “Auditoria: Revisão legal das contas e outras funções do revisor oficial de contas”, Sílabo, Lisboa.

Texier, J. (2011), “A experiência do auditor como factor determinante da qualidade da auditoria. Lisboa”, Dissertação de Mestrado, Faculdade de Ciências Económicas e Empresariais da Universidade Católica de Lisboa (Portugal).

Wells, J. (2009), “Manual da fraude na empresa: Prevenção e detecção”, Almedina, Coimbra.

Windmoller, R. (2000), “The auditor market and auditor independence”, The European Accounting Review, 9(4), 639-642.

Wolfe, D., Hermanson, D. (2004) “The fraud diamond: Considering the four elements of fraud”, The CPA Journal, 74(12), 38-42.




ISSN 2183-5594

Indexing: GOOGLE SCHOLAR - LATINDEX - DRJI