A Comparabilidade do EBITDA Reportado pelas Entidades Cotadas em Portugal

Fábio Henrique Ferreira Albuquerque, António José de Almeida Cariano, Manuela Marcelino

Abstract


Objetivo: Este estudo tem por objetivo analisar o grau de comparabilidade do earnings before interest, taxes, depreciation and amortization (EBITDA) divulgado nas contas consolidadas das entidades cotadas em Portugal.

Metodologia: As entidades foram separadas em dois grupos, consoante a utilização, nas contas individuais da empresa-mãe, do normativo nacional (SNC) ou das normas emitidas pelo International Accounting Standards Board (IASB). Foram utilizadas, além de medidas estatísticas descritivas, o teste não paramétrico de Mann-Whitney U

Resultados: Não foi identificado um suporte razoável para a hipótese definida nesta investigação, isto é, diferenças em torno do EBITDA consoante o normativo contabilístico utilizado pela empresa-mãe nas suas contas individuais, não sendo este, portanto, um fator determinante..

Implicações práticas: A criação de mecanismos conducentes à harmonização do conceito de EBITDA por parte do IASB apresenta-se relevante, para benefício dos utilizadores.

Limitações da investigação: Entre as limitações deste estudo incluem-se a dificuldade de identificar, com precisão, o conceito de EBITDA utilizado pelas entidades, bem como o reduzido número de estudos em torno da problemática proposta nesta investigação, na medida em que a generalidade concentra-se nos aspetos relativos à relevância/utilidade do EBITDA, em detrimento da sua comparabilidade.

Originalidade e valor: Este estudo apresenta-se como pioneiro em Portugal, sendo a sua relevância materializada pelos recentes trabalhos desenvolvidos pelo IASB no sentido da eventual inclusão do EBITDA nas demonstrações financeiras (DF) obrigatórias para as entidades que utilizam o normativo internacional.

Palavras-chave: Comparabilidade, demonstrações financeiras, EBITDA, indicadores.


Full Text:

PDF

References


Albuquerque, F., & Almeida, M. (2009). A cultura, os valores contabilísticos e o julgamento profissional dos preparadores portugueses. APOTEC: Prémio Luiz Chaves de Almeida.

Albuquerque, F., Marcelino M. & Texeira Quirós, J. (2011). O Resultado Integral e as suas componentes após as revisões da IAS 1: Um estudo empírico relativo às entidades incluídas no PSI geral. APOTEC: Prémio Luiz Chaves de Almeida.

Alcalde, A., Fávero, L. & Takamatsu, R. (2013). EBITDA margin in brazilian companies – Variance decomposition and hierarchical effects. Contadúria y Administración, Vol. 58 No. 2, pp. 197-220. doi: 10.1016/S0186-1042(13)71215-4

Association of Chartered Certified Accountants (ACCA) (2013). What do investors expect from non-financial reporting. [Em linha]. Acedido em fevereiro 15, 2015, em http://www.accaglobal.com/content/dam/acca/global/PDF-technical/sustainability-reporting/tech-tp-wdir.pdf.

Calabrese, J. & Rafferty, B. (2003). Assessing profitability: Shortfalls of traditional measures. The Journal of Private Equity, Vol. 6 No. 3, pp. 13-15. doi: 10.3905/jpe.2003.320045

Chartered Accountants of Canada (CAC) (2008). Improved Communication with Non-GAAP Financial Measures - General Principles and Guidance for Reporting EBITDA and Free Cash Flow. [Em linha]. Acedido em fevereiro 15, 2015, em http://pwc.blogs.com/files/publication-produced-by-the-chartered-accountants-of-canada-on-non-gaap-measures.pdf.

Circular de 18 de fevereiro de 2010. Comissão do Mercado dos Valores Mobiliários (CMVM). Envio e publicação dos documentos de prestação de contas anuais previstos no artigo 245.º do Código dos Valores Mobiliários e artigo 8.º do Regulamento da CMVM n.º 5/2008. Acedido em fevereiro 1, 2015, em http://www.cmvm.pt/pt/legislacao/legislacaonacional/circulares/pages/texto_contas_1semestre_2010.aspx.

Comissão de Normalização Contabilística (CNC) (2012). Perguntas frequentes sobre o SNC - Pergunta 26: Que contas deverão ser incluídas na linha “Juros e rendimentos similares obtidos” da Demonstração dos resultados por naturezas do SNC?. [Em linha]. Acedido em fevereiro 15, 2015, em http://www.cnc.min-financas.pt/_siteantigo/0_new_site/FAQs/sitecnc_faqs.htm.

Decreto-Lei nº 158/2009, de 13 de julho. Diário da República nº 133 – I Série A. Lisboa. Acedido em fevereiro 15, 2015, em http://www.cnc.min-financas.pt/_siteantigo/0_new_site/SNC/DL_158_2009_13Jul_SNC.pdf.

Decreto-Lei nº 98/2015, de 02 de junho. Diário da República nº 106 – I Série A. Lisboa. Acedido em fevereiro 6, 2015, em https://dre.pt/application/conteudo/67356342.

Deloitte (2014). IOSCO proposes guidance on non-GAAP financial measures. [Em linha]. Acedido em fevereiro 15, 2015, em http://www.iasplus.com/en/news/2014/09/iosco.

Diretiva nº 78/660/CEE do Conselho, de 25 de Julho de 1978, (Quarta Diretiva) baseada no artigo 54º, nº 3, alínea g), do Tratado e relativa às contas anuais de certas formas de sociedades. Jornal Oficial da União Europeia, L-222, de 14 de agosto de 1978, 11-31. Acedido em junho 6, 2015, em http://www.cnc.min-financas.pt/_siteantigo/0_new_site/Directivas_UE/sitecnc_dirUE.htm.

Diretiva nº 83/349/CEE do Conselho, de 13 de Junho de 1983, (Sétima Diretiva) baseada no nº 3, alínea g), do artigo 54º do Tratado e relativa às contas consolidadas. Jornal Oficial da União Europeia, L-193, de 18 de julho de 1983, 1-0017. Acedido em junho 6, 2015, em http://www.cnc.min-financas.pt/_siteantigo/0_new_site/Directivas_UE/sitecnc_dirUE.htm.

Diretiva nº 2006/43/CE do Parlamento Europeu e do Conselho, de 17 de Maio de 2006, relativa à revisão legal das contas anuais e consolidadas, que altera as Directivas 78/660/CEE e 83/349/CEE do Conselho e que revoga a Directiva 84/253/CEE do Conselho. Jornal Oficial da União Europeia, L-157, de 17 de maio de 2006, 87-107. Acedido em junho 6, 2015, em http://eur-lex.europa.eu/legal-content/PT/TXT/PDF/?uri=CELEX:32006L0043&from=FR.

Diretiva nº 2013/34/UE, do Parlamento Europeu e do Conselho, de 26 de junho, relativa relativa às demonstrações financeiras anuais, às demonstrações financeiras consolidadas e aos relatórios conexos de certas formas de empresas, que altera a Diretiva 2006/43/CE do Parlamento Europeu e do Conselho e revoga as Diretivas 78/660/CEE e 83/349/CEE do Conselho. Jornal Oficial da União Europeia, L-182, de 26 de junho de 2013, 19-76. Acedido em junho 6, 2015, em http://www.cnc.min-financas.pt/pdf/Directivas_UE/Diretiva_2013_34_UE_26_junho.pdf.

Encarnação, C. (2009). Indicadores económico-financeiros: Os impactos da alteração normativa em Portugal. Projeto de Mestrado em Finanças e Controlo Empresarial. ISCTE - Instituto Universitário de Lisboa. Acedido em abril 13, 2015, em https://repositorio.iscte-iul.pt/handle/10071/1851.

European Securities and Markets Authority (ESMA) (2005). Recomendações do CESR sobre indicadores de performance alternativos. Acedido em fevereiro 15, 2015, em http://www.cmvm.pt/cmvm/consultas%20publicas/esma/pages/consulta_cesr20050512.aspx.

Godwin, N., & Jones, J. (2002). Does EBITDA adequately measure operating cash flow? Journal of Accounting and Finance Research, pp. 25-32.

Hill, M. & Hill, A. (2008). Investigação por questionário. Lisboa: Edições Sílabo. ISBN: 9789726182733.

Instrução nº 527, de 4 de outubro de 2012. Comissão de Valores Mobiliários (CVM). Dispõe sobre a divulgação voluntária de informações de natureza não contábil denominadas LAJIDA e LAJIR. Acedido em fevereiro 1, 2015, em http://www.cvm.gov.br/legislacao/inst/inst527.html.

International Financial Reporting Standards (IFRS) Foundation (2013). Disclosure initiative – Amendments to IAS 1: Totals and subtotals. [Em linha]. Acedido em fevereiro 15, 2015, em http://www.ifrs.org/Meetings/MeetingDocs/IASB/2013/October/AP08B-Disclosure%20Initiative.pdf.

Iotti, M. & Bonazzi, G (2012). Ebitda / Ebit and cash flow based ICRs: a comparative approach in the agro-food system in Italy. Financial Assets and Investing, Vol. 2, pp. 19-31. doi: 10.5817/fai2012-2-2

Lei nº 20/2010, de 8 de agosto. Diário da República nº 163 – I Série A, 3661. Acedido em fevereiro 15, 2015, em http://www.cnc.min-financas.pt/pdf/SNC/Lei_20_2010_23Ago.pdf.

Lei nº 35/2010, de 2 de setembro. Diário da República nº 131 – I Série A, 3857. Lisboa. Acedido em fevereiro 15, 2015, em http://www.cnc.min-financas.pt/_siteantigo/0_new_site/SNC/Lei_35_2010_03Set.pdf.

Maragno, L., Borba, J. & Fey, V (2013). Uma análise do EBITDA nas empresas brasileiras mais negociadas no BM&FBOVESPA. XIV Congresso Internacional de Contabilidade e Auditoria. A contabilidade pública como fator de transparência. 10 e 11 outubro de 2013. Lisboa. Acedido em fevereiro 15, 2015, em http://www.otoc.pt/news/comcontabaudit/pdf/66.pdf.

Merchant, K. & Sandino, T. (2009). Four Options for Measuring Value Creation: Strategies for managers to avoid potential flaws in accounting measures of performance. Journal of Accountancy, Vol. 208 No. 2, pp. 34-37. Acedido em fevereiro 13, 2015, em http://web.a.ebscohost.com/ehost/pdfviewer/pdfviewer?sid=421372d1-2cca-47a3-aac2-b10283d98945%40sessionmgr4001&vid=1&hid=4204.

Ofício-Circular nº 1/2005, de 25 de fevereiro. Orientação sobre a elaboração de Informações Contábeis pelas Companhias Abertas. Acedido em fevereiro 1, 2015, em http://sistemas.cvm.gov.br/port/atos/oficios/OFICIO-CIRCULAR-CVM-SNC-SEP-01-2005.asp.

Portaria nº 220/2015, de 24 de julho. Aprova os modelos das DF. Diário da República nº 143 – I Série. Lisboa. Acedido em janeiro 01, 2016, em http://info.portaldasfinancas.gov.pt/NR/rdonlyres/E59D37CB-6DB5-4161-9D85-6990C20F6649/0/Portaria_220_2015.pdf.

Price Waterhouse Coopers (PWC) (2007). Presentation of income under IFRS: Flexibility and consistency explored. [Em linha]. Acedido em fevereiro 15, 2015, em http://www.pwc.com/en_GX/gx/ifrs-reporting/pdf/europesurveynongaapmeasures.pdf.

Price Waterhouse Coopers (PWC) (2014). Non-GAAP financial measures: Enhancing their usefulness. [Em linha]. Acedido em fevereiro 15, 2015, em http://www.pwc.com/en_US/us/cfodirect/assets/pdf/point-of-view-non-gaap-financial-measures.pdf.

Regulamento nº 1.606/2002/CE do Parlamento Europeu e do Conselho, de 19 de julho, relativo à aplicação das normas internacionais de contabilidade. Jornal Oficial da União Europeia L 243, de 2002-11-11. Acedido em fevereiro 2, 2015, em http://eur-lex.europa.eu/legal-content/PT/TXT/PDF/?uri=CELEX:32002R1606&from=PT.

Securities and Exchange Commission (SEC) (2003). Regulation G - Conditions for Use of Non-GAAP Financial Measures. [Em linha]. Acedido em fevereiro 15, 2015, em http://www.sec.gov/rules/final/33-8176.htm.

Siegel, M. (2014). For the Investor: The Use of Non-GAAP Metrics. [Em linha]. Acedido em fevereiro 15, 2015, em http://www.fasb.org/jsp/FASB/Page/SectionPage&cid =1176164442130&pf=true.

Soares, H. (2012). EBITDA, um estudo exploratório - as cotadas PSI-20 e IBEX-35. Dissertação de Mestrado. Faculdade de Economia da Universidade de Porto. Acedido em abril 13, 2015, em http://repositorio-aberto.up.pt/bitstream/ 10216/75860/2/15762.pdf.

Sui, Y. (2017). The Research on the Applications and limitations of EBITDA. 2017 2nd International Conference on Sustainable Energy and Environment Protection (ICSEEP 2017). ISBN: 978-1-60595-464-6 Acedido em dezembro 18, 2017, em http://www.google.pt/url?sa=t&rct=j&q=&esrc=s&source=web&cd=1&ved=0ahUKEwitts_o4JXYAhUOrRQKHSc0CvgQFggsMAA&url=http%3A%2F%2Fdpi-proceedings.com%2Findex.php%2Fdteees%2Farticle%2Fdownload%2F12696%2F12231&usg=AOvVaw277gRk-g6c_K79cUsvR3zK.




ISSN 2183-5594

Indexing: GOOGLE SCHOLAR - LATINDEX - DRJI