Papel do capital social no desenvolvimento de iniciativas sociais: estudo de 4 casos

Susana Bernardino, J. Freitas Santos, Sandra Fagundes

Abstract


Propósito: Esta investigação visa compreender o papel do capital social (CS) no processo de desenvolvimento de iniciativas sociais (IS) em Portugal.

Desenho/metodologia/abordagem: Após uma revisão da literatura relevante sobre o tema, avança-se para uma análise qualitativa baseada em estudos de caso múltiplos. A investigação abordou 4 IS situadas em diferentes regiões do território nacional: Cais Recicla, Oficina Agrícola, Semear o Futuro e o Centro de Interpretação da Abelha.

Resultados: Os resultados obtidos indicam que as IS se confrontam com dificuldades em obter recursos financeiros de capital privado. Neste contexto, as dotações de CS revelam-se importantes para a angariação e mobilização dos recursos necessários ao desenvolvimento das atividades organizacionais, nomeadamente através do estabelecimento de parcerias e protocolos de cooperação.

Limitações da investigação: A investigação apresenta uma natureza exploratória em virtude da natureza qualitativa da investigação e do número de casos analisados.

Implicações práticas: O conhecimento do papel do CS no acesso aos recursos necessários para a implementação de uma estratégia de intervenção social é importante para que os gestores de outras iniciativas sociais possam adaptar as respostas desenvolvidas à sua situação particular. O estudo indicia, ainda, a importância da conceção de políticas públicas neste domínio.

Originalidade/valor: O interesse da investigação resulta da importância que as organizações sociais assumem para a sociedade e pelo potencial de criação de valor social que encerram. Os estudos empíricos existentes são ainda escassos

Palavras chave: Empreendedorismo Social, Valor Social, Desafios, Recursos.

 


Full Text:

PDF

References


Ármannsdóttir, A. (2011). The Icelandic social entrepreneur: The key motivational factors pursuing social behavior. Saarbrücken: Lambert Academic Publishing.

Austin, J., & Seitanidi, M. (2011). Value creation in business – Nonprofit collaborations (Social Enterprise Series, Harvard Business School Working Paper, 33). Acedido em http://www.hbs.edu/research/pdf/12-019.pdf.

Austin, J., Wei-Skillern, J., & Stevenson, H. (2006). Social and Commercial Entrepreneurship: Same, Different, or Both? Entrepreneurship Theory and Practice, 30(1), 1-22.

Azevedo, C., Franco, R., & Meneses, J. (Eds) (2010). Gestão de Organizações Sem Fins Lucrativos – o desafio da inovação social. Porto: Imoedições.

Barney, J., & Clark, D. (2007). Resource-based theory. Creating and sustaining competitive advantage. New York: Oxford University Press.

Bauer, C., Guzmán, C., & Santos, F. (2012). Social capital as a distinctive feature of social economy firms. International Entrepreneurship and Management Journal, 8(4), 437-448.

Bull, M. (2007). ‘Balance’: The development of a social enterprise business performance analysis tool. Social Enterprise Journal, 3(1), 49-66.

Correia, M. (2011). O Empreendedorismo Social e as Estratégias de Comunicação das Instituições do Terceiro Sector (Dissertação de Mestrado). Universidade de Coimbra, Portugal.

Franco, R., Sokolowski, W., Hairel, E., & Salamon, L. (2005). O sector não lucrativo português numa perspectiva comparada. Porto: Universidade Católica e John Hopkins University.

Gata, H. (2010). Para além do negócio: O papel das empresas sociais na criação de valor social. In C. Azevedo, R. Franco & J. Meneses (Eds.), Gestão de organizações sem fins lucrativos (pp. 119-126). Porto: Imoedições.

Gohn, M. (2004). Empoderamento e participação da comunidade em políticas sociais. Saúde e Sociedade, 13(2), 20-31.

Instituto de Empreendedorismo Social. (s.d). Instituto de Empreendedorismo Social. Acedido em www.ies.org.pt/.

Januário, S., (2000). Organizações de solidariedade social radicadas na comunidade: a diversidade no terceiro sector em Portugal: estudo de casos (Dissertação de Mestrado). Universidade de Coimbra, Portugal.

Kramer, M. (2005). Measuring Innovation: Evaluation in the Field of Social Entrepreneurship. San Francisco: Foundation Strategy Group.

Leadbeater, C. (1997). The rise of the social entrepreneur. London: Demos.

Mair, J., & Martí, I. (2006). Social entrepreneurship research: A source of explanation, prediction, and delight. Journal of World Business, 41(1), 36-44.

Mair, J., & Noboa, E. (2006). Social entrepreneurship: How intentions to create a social venture are formed. In J. Mair, J., J. Robinson, & K. Hockerts (Eds.), Social Entrepreneurship (pp. 121-135). New York: Palgrave Macmillan.

Marshall, R. (2011). Conceptualizing the international for-profit social entrepreneur. Journal of Business Ethics, 98(2), 183-197.

Martins, M. & Pinheiro S (2010). Empreendedorismo e Inovação Social. In Azevedo C., Franco R., & Meneses J. (Eds.), Gestão de organizações sem fins lucrativos (pp. 127-132), Porto. Imoedições.

Meyskens, M., Robb-Post, C., Stamp, J., Carsrud, A., & Reynolds, P. (2010). Social ventures from a resource-based perspective: An exploratory study assessing global Ashoka fellows. Entrepreneurship: Theory and Practice, 34(4), 661-680.

Monteiro, G. (2008). Empowerment – uma estratégia de luta contra a pobreza e a exclusão social em cabo verde – o caso de lajedos (Dissertação de Mestrado). Instituto Superior de Ciências do trabalho e da empresa, Portugal.

Montgomery, A., Dacin, P., & Dacin, M. (2012). Collective social entrepreneurship: Collaboratively shaping social good. Journal of Business Ethics, 111(3), 375-388.

Myers, P., & Nelson, T. (2010). Considering social capital in the context of social entrepreneurship. In A. Fayolle, & H. Matlay (Eds.). Handbook of research on social entrepreneurship (pp. 271-285), Massachusetts: Edward Elgard.

Parente, C. (2013). A Gestão de Pessoas em Organizações do Terceiro Setor Português. Empreendedorismo Social em Portugal: as políticas, as organizações e as práticas de educação/formação. Acedido em http://web3.letras.up.pt/empsoc/index.php/produtos/category/11-artigos.

Parente, C. & Costa, D. (2013). A comunicação externa e legitimidade organizacional no terceiro setor. In C. Parente (Ed.), Empreendedorismo Social em Portugal: as políticas, as organizações e as práticas de educação/formação. (pp. 219-237). Acedido em http://web3.letras.up.pt/empsoc/index.php/produtos/category/11-artigos.

Parente, C., Costa, D., Santos, M., & Amador, C. (2013a). Empreendedorismo social: Dos conceitos às escolas de fundamentação. As configurações de um conceito em construção. Work in Progress. Acedido em http://web3.letras.up.pt/empsoc/index.php/produtos/category/11-artigos.

Parente, C., Cruz, S., Marcos, V. Pais, C. & Martinho, A. (2013b). Gestão organizacional no terceiro sector. As configurações de um conceito em construção. Work in Progress. Acedido em http://web3.letras.up.pt/empsoc/index.php/produtos/category/11-artigos.

Perkins, D., & Zimmerman, M. (1995). Empowerment theory, research and application. American Journal of Community Psychology, 23(5), 569-579.

Pinto, C. (2011). Representações e práticas do Empowerment nos trabalhadores sociais (Tese de Doutoramento). Instituto Superior de Ciências Sociais e Políticas, Portugal.

Portes, A. (2000). Social Capital: Its Origins and Applications in Modern Sociology. In E. Lesser (Eds.), Knowledge and Social Capital: Foundation and Applications (pp. 43-68). Woburn: Butterworth-Heinemann.

Quintão, C. (2004). Empreendedorismo social e oportunidades de construção do próprio emprego. Artigo apresentado no Seminário Trabalho social e Mercado de Emprego, Painel Políticas Sociais e Mercado de Emprego, Porto: FLUP. Disponível em http://www.letras.up.pt/isociologia/uploads/files/working4.pdf

Quintão, C. (2011). O terceiro sector e a sua renovação em Portugal. Uma abordagem preliminar (IS Working papers, 2.ª série, n.º2). Acedido em http://isociologia.pt/App_Files/Documents/is-wp-ns-002_110411025242.pdf.

Rappaport, J. (1987). Terms of Empowerment/Exemplars of Prevention: Toward a Theory for Community Psychology. American Journal of Community Psychology, 15(2), 121-148.

Rispal. M., & Boncler, J. (2010). Social entrepreneurship in France: organizational and relational issues. In A. Fayolle & H. Matlay (Eds). Handbook of Research on Social Entrepreneurship (pp. 109-124). UK: Edward Elgar Publishing Limited.

Sakurai, M. (2008). Social entrepreneur and resource mobilization: the role of social capital. Artigo apresentado na ISTR 8th International Conference and 2nd EMES-ISTR European Conference. Barcelona: EMES Conferences Selected Papers Series.

Saner, R. & Yiu, L. (2010). Sustainable transborder business cooperation in the European regions: the importance of social entrepreneurship. In A. Fayolle & H. Matlay (Eds). Handbook of Research on Social Entrepreneurship (pp. 125-141). UK: Edward Elgar Publishing Limited.

Santos, F. (2012). A Positive Theory of Social Entrepreneurship. Journal of Business Ethics, 111(3), 335–351.

Seelos, C., Mair, J., Battilana, J., & Dacin, M. (2011). The embeddedness of social entrepreneurship: Understanding variation across local communities. In C. Marquis, M. Lounsbury, & R. Greenwood (Eds.), Communities and Organizations (pp. 333-363). Bingley, UK: Emerald Group Publishing Limited.

Sewell, W. (1992) A Theory of Structure: Duality, Agency, and Transformation. The American Journal of Sociology, 98(1), 1-29.

Sharir, M., & Lerner, M. (2006). Gauging the success of social ventures initiated by individual social entrepreneurs. Journal of World Business, 41, 6–20.

Shaw, E. (2004). Marketing in the social enterprise context: Is it entrepreneurial? Qualitative Market Research: An International Journal, 7(3), 194-205.

Squazzoni, F. (2008). Social Entrepreneurship and Economic Development in Silicon Valley A Case Study on The Joint Venture: Silicon Valley Network. Nonprofit and Voluntary Sector Quarterly, 38(5), 869-883.

Toledano, N. (2011). Social entrepreneurship: the new narrative for the practice of the social economy. CIRIEC-España, Revista de Economía Pública, Social y Cooperativa, 73, 9-31.

Tremblay, C., Gutberlet, J., & Peredo, A. (2010). United we can: Resource recovery, place and social enterprise. Resources, Conservation and Recycling, 54(7), 422-428.

Vieira, J. (2011). Empreendedorismo e inovação como forma de mudança e inclusão social: Criação de uma Incubadora Social no Município de Ílhavo (Dissertação de Mestrado). Universidade de Coimbra, Portugal.

Yin, R. (2009). Case study research: design and methods (4ª ed.). London: Sage Publication.

Zhengdong, L. (2011). Social capital and public image of non-profit organizations. International Journal of Business and Social Science, 2(13), 230-235.




Copyright (c) 2017 European Journal of Applied Business and Management

ISSN: 2183-5594 

Indexing: GOOGLE SCHOLAR - LATINDEX - DRJI - ICI JOURNALS MASTER - REDIB